Carina Rissi "PERDIDA" no Divã com a Guardiã

terça-feira, 23 de agosto de 2011


Uma das pessoas mais bacanas que eu já topei desde a fundação do GMN e certamente uma das grandes revelações da literatura brasileira...e que orgulhosamente Paty e eu podemos chamar de AMIGA, foi uma honra receber Carina Rissi autora de Perdida para uma Mega Entrevista no nosso Divã.


Mas como aqui nada tem roteiro e nossas perguntas na grande maioria fogem do convencional...hehehehe...convido vocês a se perderem com Carina, Ian e Sofia no nosso Divã.



Carina, de onde surgiu a vontade se ser escritora?
A literatura sempre fez parte da minha vida, sempre teve grande importância. Pra falar a verdade eu nunca tinha sonhado em escrever antes. Eu tinha milhares de historias e personagens na cabeça, mas achava que era assim na cabeça de todo mundo. Então eu vi uma entrevista com a escritora Stephenie Meyer, onde ela dizia isso também, que decidiu escrever depois que descobriu que nem todo mundo tinha mundo imaginários. Criei coragem e comecei a escrever a história da Sofia naquela mesma tarde, só pra ver o que acontecia.

De onde veio a inspiração para Perdida?
A ideia central, de viagem no tempo, surgiu numa noite em que teve apagão na minha cidade. Era hora do jantar, a família estava com fome, e eu tentava me lembrar de como é que se aquecia a comida sem o micro-ondas.  Fiquei pensando como temos sorte em ter o auxílio de tanta tecnologia e em como seria se uma garota como qualquer uma de nós, fosse obrigada a viver em tempos mais simples. A Sofia nasceu nessa noite e sua história ficou rondando meus pensamentos por dois anos antes de ser colocado no papel (no caso, meu celular).

Na minha vida real eu me identifiquei muito com o ceticismo de Sofia quanto aos relacionamentos, a Carina na realidade é uma Cética ou uma Romântica incurável?
Totalmente romântica incurável! Acredito que o amor pode mudar as pessoas, pode diminuir distâncias e todos os bla-bla-blas que se ouve por aí. Estou casada a 11 anos e estamos juntos a 13. E, apesar de todo esse tempo juntos, ainda sinto frio na barriga quando meu marido me olha daquele jeito (vocês sabem do que estou falando!)

De onde surgiu o Ian? Quem foi o seu modelo para a construção física e psicológica dele?
O Ian veio prontinho, quando chegou sua vez de entrar na história. Tinha rosto e corpo, nome e sobrenome, personalidade e jeito de falar característicos. Ian nunca me deu trabalho algum (o oposto da Sofia que nunca agiu como eu queria). Talvez a grande culpada seja Jane Austen. Sou louca  por suas obras dela e, em diversas delas, a família Clarke é citada. Gosto de fingir quando estou lendo seus livros que os seus Clarke são parentes de Ian que ainda moram na Inglaterra (ai, gente, eu juro que sou normal na maior parte do tempo!)

Sei que você é mãe e esposa (assim como muitas leitoras), e gostaríamos de saber...como e  em que mundo você se perde para poder escrever?
 99,9% do tempo escrevo em meu quarto, na cama mesmo. Eu uso música para me transportar para meus mundos de faz-de-conta. Normalmente, pela manhã, entre corrigir tarefa da filhota, dar uma geral na casa, preparar o almoço, tento responder e-mails, twitters, facebook, etc. No período da tarde escrevo. Mas férias é um período bastante turbulento rsrs.

Na minha opinião o que eu mais amei em Perdida foi o humor ácido de Sofia (além do Ian é claro!), como você definiria a sua personalidade?
A Sofia é dona de uma personalidade muito forte, é cética com relação a muitas coisas, teimosa como uma porta, determinada, madura demais para a pouca idade (imagino que se deva ao fato de ter que se virar por conta própria cedo demais). Enfim, um mulher decidida que sabe o quer (ainda que relute em aceitar o que deseja).
- Realmente Carina...se você não nos tivesse dito isso...nunca iríamos notar como a Sofia contuma empacar quando encasqueta em alguma coisa, né?? kkkkkkk

 Ping-Pong:

Perdidamente romântica ou prática?
Perdidamente romântica.

Perdidamente metódica/organizada ou bagunceira?
Perdida e absolutamente bagunceira.

Perdidamente apaixonada por...
Marido, filha, chocolate, livros, McDonalds.

Me perco quando...
Ouço música. Viajo legal!

Perderia o bom senso apenas se...
Qualquer coisa que machuque o coração da minha filha. Viro bicho.

- Aproveitando que com os meus poderes vampíricos conseguimos trazer Ian e Sofia também para a nossa entrevista...gostaríamos de saber algumas coisinhas do nosso Casal mais perdidamente apaixonados da cena literária brasileira...

- Ian, o que realmente fez você se perder de amores por Sofia?
Ian: Desculpe-me, Sra. Guardiã, mas seria indiscreto de minha parte falar-lhe sobre isso. 
Sofia: Não, Ian. Tudo bem. É uma entrevista. Você pode falar sem problemas. Não vão pensar mal de você, nem vai ofender minha honra.
Ian: Tem certeza?
Sofia: Tenho.
****Ian se acomoda desconfortavelmente na poltrona****
Ian: Muito bem. É difícil precisar o momento em que... Afeiçoei-me a Srta. Sofia. Creio que o encantamento ocorreu na primeira vez em que a vi. Eu voltava de uma viagem de negócios, estava bastante exaurido já que passei a madrugada toda cavalgando, de modo que quando a vi, caída e ferida em minhas terras, senti que deveria parar para ajuda-la. Assim que desci do cavalo e encontrei aqueles grandes olhos castanhos fitando-me, fiquei inquieto. Minhas mãos suavam, eu não sabia o que dizer e, estranhamente, me senti pleno pela primeira vez. E eu ainda nem sabia o nome dela.

- Cof, cof...parece que nosso moço está muito bem amarrado não acham??


Sofia, o que mais você se arrepende de ter perdido para poder esta com Ian?
Sofia: Não me arrependo de absolutamente nada. Acho que, de certa forma, sempre estive no lugar errado, então escolher Ian foi a decisão mais simples que já tive que tomar na vida. Mas vou confessar que morro de saudades da Nina. E por incrível que pareça, do Rafa. É muito mais fácil gostar dele assim, à distância. Nina, se você estiver lendo essa entrevista, te amo, maluca!

- Não adianta...amigo é sempre coisa pra se guardar!! (sorrisos na platéia)


Sofia, a pergunta que não quer calar é: você já se acostumou com o pé de alface?
****Ian ruboriza levemente. Sofia ri.****
Sofia: A experiência com a alface não é nada agradável, meio traumatizante até, e acho que nunca vou me habituar a ela. Mas, mesmo assim, é um preço pequeno a pagar para estar ao lado de Ian. Vale a pena!
Ian: Você contou a eles sobre isso?
Sofia: Claro que contei! Você sabe muito bem que aquela verdura me atormenta. E muita gente tem curiosidade sobre esse assunto. Nem todo mundo viveu no século XIX. 

**** A plateia cai na gargalhada!!! kkkkkkkkkkkk

Ian, o que te faria perder a cabeça?
Ian: Certamente, ter que viver longe de minha Sofia. Conheço a sensação de forma muito íntima e espero fervorosamente não ter que repeti-la enquanto eu viver.
****Sofia, ao seu lado, suspira****

Esta pergunta agora é para os dois:  Qual a coisa mais estranha que vocês se deparam na vida a dois?
Sofia: Humm...
Ian: Teve aquela situação com a Srta. Teodor...
Sofia: Ah, não, Ian. Ainda não contei sobre essa história.
Ian: Certo. Então sobre a véspera de nosso cas...
Sofia: Ainda não contei sobre isso também.
Ian: O que contou e eles, afinal?
Sofia: Sobre como nos conhecemos e como resolvemos tudo até aquele  segundo baile. Aconteceu coisa pra caramba, né?
Ian: Não posso discordar. ***Ian ri.***
Sofia: Ah! Já sei! Ter que fugir de Madalena, vez ou outra foi muito estranho. Sempre que o Ian invadia meu quarto na madrugada, e isso aconteceu com certa frequência, era uma verdadeira novela na manhã seguinte pra escapar sem ser visto. E quando ela nos flagrava...
Ian: Sofia! ***Ian ruboriza muito***
Sofia: O que? Ninguém vai te achar um criminoso aqui. Estamos no século XXI, por alguns momentos. Acho que a situação com Madalena foi bem estranha, não foi?
Ian: Ainda assim, não creio que seja apropriado falar de nossos momentos íntimos. Além disso, estou certo de que a Sra. Guardiã não quer discutir esse tema. Talvez devêssemos falar sobre amenidades. Como quanto você tentou ensinar ao sapateiro como fabricar um tênis. O pobre coitado não entendeu uma só palavra do que você disse.
Sofia: Coisa que estou tentando mudar. Elisa e Ian são os únicos que conseguem entender o que eu digo. Mas nesse caso, o sapateiro ficou confuso com o tênis e não com minha forma de me expressar. Acabei desistindo do tênis, por enquanto.
(Ian sorri, divertido)
Ian: Sofia nunca desiste de nada, Sra. Guardiã.

- Uau!!!! Já vimos que continuaremos perdidos por muito tempo na história de vocês...huh?!
- Muito bem querido...foi delicioso...nos perdermos neste papo gostoso...e os leitores estão realmente ansiosos para continuar acompanhando o desenrolar dos próximos capítulos.
- Foi um prazer estar com vocês hoje...Carpe Noctem!

10 comentários

  1. Amei a entrevista. Ri aos baldes com essa entrevista. A Carina é ótimo!!! E seus personagens são maravilhosos!!!! kkkkkkkkkkkkkkk!!!!!!!

    ResponderExcluir
  2. Ai, Scheila, não faz ideia de como me sinto honrada em aparecer aqui no GMN!!! Muito obrigada pela entrevista! Obrigada por tudo! Amei! Amei! Amei!
    Beijos, amiga!

    ResponderExcluir
  3. Que gracinha de entrevista, deu para visualizar Ian e Sofia conversando, muto bom realmente.
    Adorei me perder na leitura desse livro, adorei revê-los agora!

    Adorei o post!

    ResponderExcluir
  4. Então a história terá continuação?! YESSS!!!....rs...

    ResponderExcluir
  5. Parabéns pela entrevista Scheila! Estou ansiosa para ler o livro da Carina Rissi, Perdida. Beijos!

    ResponderExcluir
  6. Uauu! Adorei a entrevista!
    Parabéns pelo blog!

    BeijoS NegroS^^

    ResponderExcluir
  7. Hummm Lorde Ogrão e seu super olhar!?!?!?!?!? kkkkkkk

    Adorei a entrevista, tanto da Carina qto do nosso lindo casal.

    Ficou perfeita

    ResponderExcluir
  8. Eu já falei que to louca para ler esse livro?
    Depois dessa entrevista então...aff!!! É só vir até aqui que fico com desejos literários...rsrss...
    Amei a entrevista amiga!
    Bjos!!!
    Andréia
    Sentimento nos Livros

    ResponderExcluir
  9. Muito boa a entrevista!!!a carna rissi realmente me surpreendeu por nos trazer uma personagem tão cativante como a sofia e um personagem tão apaixonante como Ian Clarke...Não poderia dar outra coisa senão uma linda historia de amor, de como o amor nos transforma depois que entra em nossas vidas.

    ResponderExcluir
  10. eu quero ser a Guardiã tambem

    ResponderExcluir

Deixe seu Comentário!