GMN Movie's Review - Meia Noite em Paris

domingo, 7 de agosto de 2011



 Sinopse: Gil (Owen Wilson) sempre idolatrou os grandes escritores americanos e quis ser como eles. A vida lhe levou a trabalhar como roteirista em Hollywood, o que se por um lado fez com que fosse muito bem remunerado, por outro lhe rendeu uma boa dose de frustração. Agora ele está prestes a ir a Paris ao lado de sua noiva, Inez (Rachel McAdams), e dos pais dela, John (Kurt Fuller) e Helen (Mimi Kennedy). John irá à cidade para fechar um grande negócio e não se preocupa nem um pouco em esconder sua desaprovação pelo futuro genro. Estar em Paris faz com que Gil volte a se questionar sobre os rumos de sua vida, desencadeando o velho sonho de se tornar um escritor reconhecido. 


Meia Noite em Paris conta a história de Gil um roteirista frustrado de Hollywood que ganha relativamente bem, tem uma bela noiva a qual pensa amar, seus ídolos são grandes  mestres da literatura da geração perdida – pessoas contra-cultura, com ideais de vanguarda que curtiam festas, bailes, coquetéis  regados a bebidas e jazz -  e de músicos, dançarinos, diretores da década de vinte. 

Gil viaja a Paris junto com sua noiva e seus pais, que estão fechando um negócio com parisienses e não suportam o país; e começa a se questionar se seus atos de decisões passadas poderiam ter direcionado sua vida para outro rumo. Saudosista vê Paris com outros olhos, essa cidade é um recanto de história e magia.

Woody Allen contrapõe desde o inicio, de forma brilhante, três pensamentos; a aceitação e alienação pela cultura de massa de má qualidade e os frutos que esta tem no pensamento das pessoas superficialistas. A elitização do conhecimento engessado, que gera um falso status de superioridade intelectual que não agrega nenhum valor e a contra cultura, que questiona, pergunta em sua angustia o certo e o errado, buscando sua satisfação.

Incomodado com a superficialidade de sua vida, o protagonista começa a escrever um romance para fugir dos enlatados que desenvolve para as grandes indústrias cinematográficas tentando achar seu rumo, e um encontro casual com amigos de sua noiva desencadeia um leque de eventos.




Fui assistir ao filme de coração aberto, sem pretensão e nem analises críticas, estava traumatizada com as últimas experiências com películas medianas do diretor. Não sabia se ria, chorava de emoção, ou continuava a me emocionar com todas as referências intelectuais do filme. Era um filme que realmente queria ver, o combo Woody Allen, Paris e Arte foi magnífico. A ironia permeia cada cena, desde os pensamentos do protagonista até mesmo na escolha das musicas e dos personagens.

A minha sessão vibrou a cada aparição, se ouvia sussurros de teorias e analises por todos os lados.
De forma divertida, para aqueles que tem uma boa base literária, musical e artística se deliciará com as referências que Woody Allen coloca em seu filme.

Provocador, questiona a estagnação que um ser humano pode adquirir, quando sua vida perfeita, onde ganha bem, tem uma profissão respeitável, um bom relacionamento não satisfazem, mas mesmo a busca de uma nova forma de viver pode ser ilusório ou ao menos contraditório. Um belo filme, bela fotografia, trilha sonora e atuações, um bom programa despretensioso para conhecer coisas novas e refletir um pouco sobre a vida.

**Eu recebi essa review da nossa irmã cult - a Dany - e não pensei em vir aqui dividir isso com vocês! Espero que gostem!!!!

1 comentários

  1. Apesar da estória parecer boa, achei um pouco complexa demais. E ultimamente quero algo bobo para ver, sem pensar demais, rs
    Mas pretendo ver em breve (leia-se dezembro)

    Lipe Ralf
    meus-erros.blogspot.com

    ResponderExcluir

Deixe seu Comentário!