DIVULGAÇÃO: O PUNHAL - JÉSSICA ANITELLI

quarta-feira, 23 de maio de 2012


SINOPSE

Autor: Jéssica Anitelli
Gênero: Ficção, Romance
ISBN: 9788564469716
Nº de páginas: 322
Dimensão: 14x21


Seus olhos verdes sempre cruzavam com aqueles olhos gélidos durante a noite. Ao vê-los, junto com aquela pele esbranquiçada, o coração disparava, os pelos do corpo arrepiavam e a boca secava. Eram essas as sensações que Diogo sentia ao ver a figura daquele homem que o seguia desde criança. Sentia medo, lógico, mas por outro lado tinha a sensação de que algo em sua alma os ligava. Mal sabia que Augusto, um vampiro com mais de 100 anos, tinha planos para ele, planos esses que envolviam sua ida para a vida noturna. Após a noite em que o sangue de Augusto tocar seus lábios sua adolescência nunca mais será a mesma, se tornará sombria, tenebrosa, intrigante e ao mesmo tempo fascinante.

Mas conseguirá ocultar lembranças e sentimentos humanos? Esquecerá o amor por Júlia?

As mudanças sofridas no início de sua existência noturna serão baseadas em Henrique, um vampiro que possuía os mesmos olhos verdes de Diogo e de sua família, tão verdes quanto às esmeraldas contidas no punhal.


Comecei a escrever O Punhal em agosto de 2007. Por que comecei a escrever? Não sei. Queria muito escrever uma estória, mas não sabia que tema abordar, mas depois de ler Os Sete, livro de André Vianco, a ideia de escrever um livro sobre vampiros veio a minha mente. Mesmo com o tema já escolhido ainda não sabia o que faria com ele. Fiquei pensando em diferentes tipos de narrativas, mas nenhuma vingou. Até que em um dia, na aula de análise de sistema do curso de técnico em informática que cursei na ETEC, comecei escrever algumas linhas no caderno, tudo para não dormir na aula. Ao chegar em casa passei aquelas 2 páginas escritas a lápis para o computador, mas depois disso travei. A inspiração só voltou depois de assistir ao filme A rainha dos condenados, longa baseado no livro da autora Anne Rice. A partir disso apaguei tudo o que havia escrito e comecei do zero. Essa inspiração rendeu alguns capítulos até eu travar novamente.

Durante meus períodos sem inspiração misturados a dificuldade de escrever passei a procurar um nome para a estória. Não queria que o nome vampiro constasse como título. Conversei com vários amigos na época para pedir opiniões diferentes sobre títulos, até que em uma noite enquanto voltava da aula de inglês acompanhada do meu amigo Rodrigo ele me disse: “Por que você não coloca algo com o punhal, como ‘O Punhal alguma coisa...’. Isso ficou em minha mente. Pensei em vários complementos para O Punhal, mas no fim acabei deixando apenas O Punhal mesmo.

Depois do título escolhido foi a hora de continuar a escrever. Sentia muita dificuldade no começo, era difícil colocar em palavras aquilo que queria passar, ainda mais quando não sabia o nome do sentimento que queria escrever ou do objeto que gostaria de descrever.

Quando já havia passado da metade da narrativa percebi um grande problema com o tempo da estória. Isso me fez apagar 3 capítulos (por mais que tenha hesitado, apaguei).

Não me lembro bem de quando conclui o livro. Não sei se foi em 2008 antes de eu entrar para a faculdade ou no final de 2009 depois do meu primeiro ano de curso concluído. Só sei que no começo de 2010 fiz uma revisão na estória, na qual mudei algumas coisinhas. Depois disso O Punhal ficou esquecido em um arquivo Word por um ano e meio. Só tomei coragem de manda-lo para alguma editora depois que eu li uma estória horrível escrita por uma garota ai... que não vem ao caso... mas pensei que se O Punhal estivesse tão mal escrito como aquilo que eu estava lendo simplesmente apagaria o arquivo. Um pouco antes de julho de 2011 resolvi ler novamente minha criação, decidida a apagar tudo se em algum momento se assemelhasse aquela estória que li. Fiquei 2 dias lendo direto, cheguei a virar 6 horas sem parar. Ao fim da leitura percebi que não estava tão ruim assim, até que estava bom. Resolvi arriscar e enviar a algumas editoras mandei para duas, uma delas a Dracaena, editora pela qual será publicado O Punhal, a segunda editora... não recebi resposta, acho que ela faliu...  kkk.



Trago para vocês um pouco sobre meus personagens. Um pouco de como são e suas atitudes dentro da estória. Existem outras personagens, mas decidi não coloca-las, pois os que estão aqui tem um papel mais significativo na narrativa.


Fiquei horas procurando atores que se assemelhavam com eles e por incrível que pareça eu encontrei. Com isso da para vocês terem uma ideia de como eu os imagino.

DIOGO (Thomas Dekker)



Desde criança ele vê um homem que sempre o segue. Tem muito medo dele, mas por mais que conte aos seus pais sobre aquele ser que o observa quase todas as noites, eles não acreditam. Dessa maneira Diogo aprende a conviver com o sujeito ao seu encalço, mas há algo nele de familiar, algo que faz com que o garoto, além do medo, sinta-se confortável com sua presença.


"Novamente os observava. Aqueles mesmos olhos profundos e frios. Sentia mais medo deles do que da figura que os portava, um homem alto, magro e com a pele extremamente pálida. Desde criança era perseguido por aquele sujeito, mas nunca soube o porquê. Sua lembrança mais antiga, quando tinha por volta de 4 anos de idade, era daquele homem, lembrança muito assustadora para uma criança. Aqueles olhos castanhos que pareciam sem vida penetraram em sua alma. Mesmo tão pequeno já sabia que aquela pessoa estava ali por alguma razão, mas mesmo com essa sensação que surgia em seu íntimo, não era capaz de afastar o medo que sentia." Pág. 9


A estória começa a ser narrada quando Diogo tem 17 anos. Ele é um jovem um pouco briguento e metido, pois sabe que é bonito e que todas as garotas babam por ele. Gosta também de se mostrar para os amigos, por isso sai com várias mulheres ao mesmo tempo, e não sossega nem quando está namorando, pois continua a ficar com outras garotas, traindo assim a namorada. Mas quando conhece Júlia as coisas mudam, pois é a primeira garota que não aceita sair com ele. Isso o incomoda, pois nunca foi recusado antes. Assim ele acaba se apaixonando de verdade por ela.

Em uma noite ele e Júlia são assaltados. Diogo ao reagir acaba levando dois tiros. Nesse momento o homem que sempre o segue surge. Augusto é um vampiro que mata os bandidos e para que Diogo não morra de verdade ele da de seu sangue ao garoto, transformando ele em um ser da noite antes da hora.

Quando Diogo desperta como vampiro, Augusto lhe conta toda a história por trás do punhal que pertencia a Henrique, assim ele descobre que ser um vampiro já estava decidido antes mesmo de ele nascer. Mas o que ele não sabe é da maldição que foi jogada em sua família e isso só descobrirá depois.



"— Como já te disse, Henrique era seu parente e como você é o único homem em gerações, esse punhal é seu — olhou para o garoto. Deu mais uma tragada no cigarro antes de jogá-lo no chão e pisar em cima. Depois de alguns minutos disse: — Preste bem atenção, garoto, só vou lhe contar essa história uma única vez — respirou fundo." Pág. 69.




JÚLIA (Lindsay Lohan)





Júlia é uma garota tímida, meiga e romântica. Quando conheceu Diogo sabia da fama dele de galinha e por isso não se deixou seduzir, por mais que tivesse vontade. Assim consegue fazer com que ele se apaixone por ela. Mesmo sendo namorados, ela continua receosa com as carícias de Diogo, não deixando assim que ele passe do limite.


“Aqueles olhos o deixavam tonto. Colocou a mão delicadamente no rosto dela, que sorriu e fechou os olhos. Aproximou-se mais. Encostou seus lábios perto do olho direito dela, repetiu o gesto carinhoso algumas vezes, na testa, na bochecha e no nariz de sua amada. Afastou seu rosto para poder observá-la melhor. Ela sorriu levemente. Não mais aguentando começou a beijá-la. Seus lábios estavam frios por causa do vento da rua. Passou a beijá-la no pescoço. Júlia estremeceu. Voltou para a boca. Suas mãos tocavam sua cintura. Desceram suavemente para as coxas. Usava saia. Começou a subir. Podia ouvir a respiração dela mudar. Colocou uma das mãos por debaixo da blusa de sua namorada. Pôde sentir seu corpo quente. Subiu mais. Podia sentir o sutiã...
— Não... — disse ela com a voz fraca. — Diogo, não! — segurou as mãos dele tirando-as de suas coxas e debaixo de sua blusa. Soltou-as e afastou-se um pouco dele. — Eu já te disse que ainda não." Pág. 20-21.

Depois de assaltado seu namorado é dado como desaparecido e isso acaba com ela. A garota sente em seu íntimo que Diogo está vivo em algum lugar, mas não tem como provar isso, pois todos dizem que ele morreu. Não se conformando com tudo o que estava acontecendo ela decide se livrar dessa dor com a própria vida, causando assim um encontro, no qual ela vê um Diogo com a pele extremamente pálida e os olhos mais verdes que o normal.

“ [...] Antes que pudesse ver o objeto sentiu um forte cheiro de sangue vindo da garota. Jogou o capacete no chão e sem pensar correu em sua direção. Pegou-a pela mão que segurava uma lâmina, olhou em seu pulso esquerdo e viu um corte muito profundo em que o sangue jorrava sem parar. Fechou os olhos para controlar seu instinto e quando os abriu ela o olhava apavorada. Só naquele momento percebeu o que fizera.
— Diogo... — a voz de Júlia saiu tão fraca que mal pôde ouvi-la." Pág. 124.


MARTA (Taís Araújo)




Marta é uma vampira que mora na casa de Augusto. Uma mulher linda e decidida que sempre sabe o que quer e faz de tudo para conseguir o que deseja. Quando percebe que mexeu com os sentimentos de Diogo ela aproveita a situação, deixando assim o garoto mais perturbado, pois este continua apaixonado por Júlia mesmo não podendo ter mais contato com ela.

Marta não cessará suas investidas até conseguir Diogo em sua cama.

“[...] Ao abrir a porta do quarto se espantou ao ver aquela cena. Marta deitada nua em sua cama, apenas coberta pelo lençol.
 — Agora podemos continuar de onde paramos — levantou-se da cama e caminhou tranquilamente até ele, abraçou-o e deixou que o lençol escorregasse pelo seu corpo até que caísse ao chão."
Pág. 150-151.



AUGUSTO (Colin Farrell)



Augusto é um vampiro de 139 anos, líder da cidade de Leme perante o conselho dos vampiros. Ele é sério, dificilmente expressa suas emoções. Quando seu irmão Henrique morre ele faz uma promessa ao lado do corpo decapitado dele, prometendo de que faria exatamente o que Henrique queria: ter seu herdeiro ao seu lado na vida noturna. Mas a saudade que sente do irmão é tanta que Augusto procura por seres que o possam ajudar e dessa maneira condena todos os herdeiros de Henrique a uma maldição que só cessará assim que o verdadeiro herdeiro nascesse, mas até que isso aconteça ele assombrará cada um deles por décadas.


" [...]— Com ajuda dos seres do submundo joguei uma maldição em sua família, uma maldição que só cessaria assim que o verdadeiro herdeiro nascesse, este já nasceria preparado para dar de seu sangue a Henrique, pois se eu transformasse qualquer outro homem que pudesse ter nascido não funcionaria. Mas em troca tive que esperar, pois me avisaram que demoraria para que o herdeiro, que nasceria com fragmentos da alma de Henrique, viesse para esse mundo, e para que a maldição se realizasse eu teria que tomar conta de cada criança que nascesse anteriormente a ele. Segui sua família por gerações. Luiza, Matilde, Marlene, Roseli, Sílvia, Sofia e você." Pág. 271



SAMANTHA (Penélope Cruz)


Samantha é uma vampira apaixonada por Augusto, mas a indiferença dele e o ciúme que sente de Diogo com o homem que ama a fazem retornar as suas origens. Por ser vingativa acaba causando todos os problemas que Augusto estava tentando evitar para que seu plano funcionasse.

"— O conselho não vai ficar sabendo desse assunto — os olhos castanhos penetrantes de Augusto fitavam friamente os olhos negros da vampira.
— Você não pode.
— Eu posso tudo.
Samantha não disse mais nada. Diogo teve a impressão de ver uma lágrima de sangue escorrer pelo rosto da vampira, mas esta passou a mão nele antes que pudesse ter certeza. Ela virou-se bruscamente na direção do garoto, acendeu seus olhos e em menos de um segundo o pegava pela garganta e o encostava na parede.
  — A culpa disso tudo é sua — a cada segundo que passava sentia as unhas de Samantha cada vez mais penetrando em sua carne.
— Solta ele, Samantha! — ordenou Augusto.
— Vou matá-lo — ria alto.” Pág. 203-204.


RUTH (Fiorella Mattheis)




Desde que criei a Ruth tinha em mente atriz Fiorella Mattheis.

Ruth é melhor amiga de Júlia. Ela odeia o namorado de sua amiga e sempre que possível o trata mal ou apresenta Júlia para outro garoto. Mas esse ódio tem um motivo que ela mesma tenta esconder de si.

No decorrer da narrativa, Ruth ajudará Júlia em momentos em que ela não terá mais ninguém, acreditando assim na história absurda dela.
Uma amiga que se pode contar para todos os momentos e situações mais delicadas, e acredite, Júlia precisará muito dela.

— Comprei pra você — Júlia aceitou e agradeceu. A garota voltou a sentar ao seu lado. — Você não vai mesmo me contar o que anda acontecendo?
— Já disse que não é nada.
— Não me venha com essa agora. Conheço você há anos e sei muito bem quando está escondendo algo — a garota apenas abaixou a cabeça. — Eu fico preocupada com seu bem-estar. Desde que Diogo sumiu você não é mais a mesma.
— Me desculpa, não queria te preocupar.
— Não se desculpe. Quero apenas que você confie em mim, sou sua melhor amiga.
— E se eu dissesse que de alguma forma Diogo está vivo? — levantou a cabeça e encarou Ruth. — Você acreditaria em mim? Pág. 176-177.













Meu nome é Jéssica Anitelli. Amo ler, escrever e ouvir música, principalmente j-rock e k-pop. Nasci dia 22/07/1990 na cidade de Leme/SP e atualmente moro em Guarulhos/SP. Estou cursando letras pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) e moro em uma república de estudantes com mais 9 garotas. Adoro estudar a língua japonesa, mas a falta de tempo e a obrigação de ter que saber inglês perfeitamente atrapalha meu estudo.

Sou apaixonada pela temática fantástica desde criança, desde magia ao sobrenatural. Sempre me interessei pelos vampiros, pois cresci vendo filmes relacionados, por isso meu primeiro livro aborda esse assunto.

No presente momento estou trabalhando na série O Punhal, pois serão 4 livros. O segundo "O Ritual" já está pronto. Os outros dois "O Conselho" e "A Herdeira", estou escrevendo simultaneamente.  ^^

Coisas que gosto de fazer:
Desenhar mangá em folha canson A3 com lápis 6B e esfuminho para sombrear.
Ouvir música no volume máximo, principalmente show de bandas em DVD.
Ler mangás e assistir anime, tiro muitas ideias de narrativas dai.
Frequentar eventos de anime, sempre me encontrarão em Anime Friends e Dreams.
Assistir Harry Potter quantas vezes for possível sem nunca cansar.
Ir até o bairro da liberdade em São Paulo mesmo com dinheiro apenas para a passagem de volta.

Coisas que não gosto:
Não ter dinheiro para comprar livros (tirando os livros que tenho que ler por causa da faculdade, para esses sempre tenho que dar um jeito).
Odeio quando estou ouvindo música e chega alguém e abaixa o volume... é para morrer!!!
Que tente tomar conta da minha vida.
Quando a inspiração some...

Adquira o seu com frete grátis! Siga a editora no twitter Curta a página do livro Confira informações do livro Curta a página da editora Confira as novidades no site da editora Adicione na sua estante! Siga a autora Curta o facebook da autora


5 comentários

  1. Adorei a postagem! A obra deve ser incrível!

    ResponderExcluir
  2. Não canso de olhar essa postagem.
    Realmente ficou maravilhosa *-*
    Abraços

    ResponderExcluir
  3. Parabéns pela dica Pati! Esse livro parece ser ótimo! Fiquei curiosa para ler O Punhal! Beijos!

    ResponderExcluir
  4. bem bacana, fiquei curiosa '-'
    beijos
    Amy - Macchiato

    ResponderExcluir
  5. Ficou muito legal esse post, com a autora contando sobre como foi escrever esse livro e as pessoas que inspiraram os personagens.
    Assim como a autora também gosto de ler mangás e ouvi k-pop e sempre que posso também vou em eventos de anime.
    Gostei da história do livro e assim que puder vou ler.
    Bjins.

    ResponderExcluir

Deixe seu Comentário!