RESENHA HELENA DE TROIA - Memórias da mulher mais desejada do mundo - FRANCESCA PETRIZZO

segunda-feira, 19 de novembro de 2012


Título Original: Memorie di uma cagna.
Tradução: Marcos Marcionilo
Autor: Francesca Petrizzo 
Nº de páginas: 208

Ano Edição: 2012

Editora: Lua de Papel


Sinopse:

Um navio retorna de uma intensa batalha pelas costas gregas. Uma mulher observa o contorno do Peloponeso na penumbra do crepúsculo.

É a jovem Helena, oferecida pelo pai ao conquistador Menelau para garantir a paz e sobrevivência de seu povo.
Uma fatídica decisão que seria carregada de tristeza e tragédia, porque Helena começa a buscar nos braços de outros aquilo que lhe fora negado.
Numa narrativa lírica e original, esta obra traz a versão de Helena da história lendária que é conhecida em todo o mundo. A disputa que originou a guerra de Troia.
De sua infância em Esparta aos anos turbulentos de sua união com Menelau e a fuga com Páris e todas as suas consequências. A vida de uma mulher que estava destinada ao poder, mas era movida a paixão e seu amor provocou uma das guerras mais famosas de todos os tempos.

“Helena é meu nome, mas posso ouvi-los me chamando de adúltera nas minhas costas.
Eu nasci em Esparta, mas fui embora para Troia, por amor.
Eles costumavam dizer que eu era a mulher mais bonita do mundo e viviam julgando o quão pouco ganhei e o quanto perdi depois que fugi, mas eles não estavam lá depois de tudo o que passei.
Eu estava.”



RESENHA


“O rapto de Helena, que a mitologia grega descrevia como a mais bela das mulheres, desencadeou a lendária guerra de Tróia. Personagem da Ilíada e da Odisséia, Helena era filha de Zeus e da mortal Leda, esta esposa de Tíndaro, rei de Esparta.

Ainda menina, Helena foi raptada por Teseu, depois libertada e levada de volta para Esparta por seus irmãos Castor e Pólux (os Dioscuri).

Para evitar uma disputa entre os muitos pretendentes, Tíndaro fez com que todos jurassem respeitar a escolha da filha. Ela se casou com Menelau, rei de Esparta, irmão mais novo de Agamenon, que se casara com uma irmã de Helena, Clitemnestra. Helena, contudo, abandonou o marido para fugir com Páris, filho de Príamo, rei de Tróia.

Os chefes gregos, solidários com Menelau, organizaram uma expedição punitiva contra Tróia que originou uma guerra de sete anos de duração.

Após a morte de Páris em combate, Helena casou-se com seu cunhado Deífobo, a quem atraiçoou quando da queda de Tróia, entregando-o a Menelau, que retomou-a por esposa. Juntos voltaram a Esparta, onde viveram até a morte.

Foram enterrados em Terapne, na Lacônia. Segundo outra versão da lenda, Helena sobreviveu ao marido e foi expulsa da cidade pelos enteados.

Fugiu para Rodes, onde foi enforcada pela rainha Polixo, que perdera o marido na guerra de Tróia.

Após a morte de Menelau, diz ainda outra versão, Helena casou-se com Aquiles e viveu nas ilhas Afortunadas.

Helena de Tróia foi adorada como deusa da beleza em Terapne e diversos outros pontos do mundo grego.

Sua lenda foi tomada como tema de grandes poetas da literatura ocidental, de Homero e Virgílio a Goethe e Giraudoux.”

Texto retirado do blog Portal São Francisco

O texto citado acima são algumas de várias visões ou versão da lendária Helena de Troia, sendo uma personagem mitológica ocasiona essa abundância de versões tanto na literatura quanto no cinema, porém no livro da resenha, Helena de Troia – Memórias da mulher mais desejada do mundo, da autora italiana Francesca Petrizzo, no revela a mulher Helena, suas paixões, desilusões, sua tristeza apresentada de forma poética, o que deixa a narrativa ainda mais emocionante e cativante.
Helena de Troia da autora Francesca começa com a história de sua infância, praticamente abandonada pela mãe, já que Leda preferia ficar com soldados a cuidar da filha, também abnegada pelo pai, o rei de Esparta, pois há suspeitas que devido a beleza de Helena, ela é filha de deuses, no caso Zeus, tem uma infância completamente solitária, por mais que tivesse irmãos mas cada um vivia sua vida individualmente.


Sua primeira paixão foi por um soldado de sua guarda, apesar de nunca terem nenhuma relação foi com esse sentimento platônico que ela se agarrou para sair da solidão, e no qual virou um ancora para viver sua vida.

Podia dizer que o primeiro amor de Helena, foi Diomedes, mas logo em seguida ela teve uma relação com Aquiles, porém Helena perdeu as suas duas chances de ser feliz casando com Menelau, como ela mesma descreve um “parvo” sem personalidade que era dominado pelo seu irmão Agamêmnon (casado com sua irmã Clitemnestra).

“Menelau era um homem bom. Vendo-o avançar na minha direção através da sala do trono, tive certeza disso. Bom. E apaixonado no instante em que seus olhos acariciaram minha pele. Menelau, Menelau.  A voz de Agamêmnon tinha uma nota de derrisória compaixão. Bom de maneira patética, sim. Grande olhos marrons, olhos de cão deixando para trás. Cabelos ruivos, sem brilho. As feições ordinárias que mal se adequavam a um príncipe de sangue. Vindo se apoderar de Esparta por não ter podido se apodera de Micenas. Estendeu a mão, tímido. Os olhos de Tíndaro sobre mim eram gélido, mas eu não deixaria só aquele mão. A pena foi o primeiro sentimento que meu marido me inspirou, e me odiei a mim mesma e a ele porque não podia ser de outra maneira. Menelau. Ombros caídos, pernas curtas. Meus dedos se fecharam em volta dos seus, suas palmas banhada de suor.”

O livro demonstra uma Helena em busca de uma felicidade amorosa e pessoal que ela mesmo não a conhece, ou segundo ela mesmo não merece, por isso da decisão de casar com Menelau, mas essa decisão começa a pesar na sua vida levando a uma depressão, mesmo após no nascimento da filha, e por coincidência Helena age com a filha como a mãe agiu com ela, uma relação com total falta de amor materno.


Durante esse tortuoso casamento aparece Páris, e quem já viu filme Troia, ou sabe da história da Helena, ele a leva para Troia e inicia-se a famosa guerra que duraram vários anos, e acabou com o famoso presente Cavalo de Troia.

Mas e nesse período da guerra e do relacionamento com o Páris que a autora mudou um pouco a visão do que já tinha lido em livros e visto nos filmes, sobre desavenças de Helena com Páris, e seu romance com Heitor, que realmente é belíssimo, já que a autora descreve tudo de uma forma poética com um lirismo narrativo, que não tem como não se emocionar com o relacionamento de Heitor e Helena até o final do livro.


Conclusão: O livro Helena de Troia não é para qualquer tipo de leitor, não posso classificar de romance, ou de drama, posso dizer que tem uma leve dramaticidade romântica, todos os relacionamentos e a separações que fizeram parte da vida de Helena foram descritas como falei anteriormente de uma forma poética e algumas cenas descritas através de metáforas, mas reafirmo que o romance entre Helena e Heitor é cativante e emocionante.


Confesso que não li muitos livros de Helena de Troia, li alguns que tratam de mitologia, ou até vi filmes que retratam sua história, ou seja, tenho pouco conhecimento, mas mesmo assim alguns personagens que nunca me convenceram da sua personalidade como é o caso de Páris, a autora o mostrou como eu realmente o vejo, ou até o final do livro o que aconteceu com Helena, achei mais consistente do que os que já li ou vi tanto na literatura quanto no cinema.

Eu indico o livro para pessoas que gostam de uma mitologia mais romântica, e de uma leitura que necessita um pouco de atenção devido as metáforas que substituem algo que em outros livros seria mais direto e objetivo, isso não é uma crítica, simplesmente explicar que ele além de ter uma escrita madura é carregada no lirismo narrativo.


Um livro que no início achei tedioso, talvez não estivesse predisposta a ler algo assim, mas depois ele foi se tornando algo difícil de largar, e quando acabei a leitura realmente senti falta dos personagens e da história. 

9 comentários

  1. Elena e Heitor? Quem diria... Gostei da resenha! Conheço um pouco da história... E o que conheço é baseado nos filmes que vi e no período estudado na escola, apenas isso... Gostei da resenha. Não sei se faz muito o meu tipo de livro, mas como gosto de mitologia e história aguça minha curiosidade conhecer essa visão.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. eu tambm ñ sabia q Helena e Heitor tiveram um romance deve ser pq eu só vi o filme de 2004 que pelo que vi ñ tem quase nada a ver com o livro q ela descreveu EU IA AMAR LÊ UM LIVRO DESSES PQ GOSTO MUITO DE MITOLOGIA E COM ROMANCE ENTÃO...

      Excluir
  2. Quando vi o lançamento do livro já adicionei aos meus desejados. Sou apaixonada por mitologia e a história de Helena é bem impactante.
    Fiquei surpresa com alguns aspectos citados, mas acredito que fazem parte da "licença poética" de qualquer obra que mescla história e ficção.
    É um livro que pretendo ler assim que surgir oportunidade.
    Bjkas!
    Monique Martins
    @moniquemar

    ResponderExcluir
  3. Perfeito !! Parabéns ficou linda !!

    ResponderExcluir
  4. Amei sua resenha Pati! Conhecia por cima a história de Helena de Tróia, e boa parte dela devido ao filme homônimo, com Brad Pitt (maravilhoso) no elenco. Gostei de saber que a história é bem romântica e fiquei curiosa para conhecer um pouco sobre o relacionamento de Helena com Heitor, irmão de Páris. Beijo!

    ResponderExcluir
  5. Oi Pá!

    Eu fiquei curiosa com o livros depois que você comentou sobre ele. A primeiro momento, achei que a história era chata e que não devia atenção.

    Mas estou mudando o meu conceito sobre ela kkkk

    Bjs!

    ResponderExcluir
  6. Ai, linda a resenha, Pati!
    Mas esse livro definitivamente não é pra mim.
    Helena é uma personagem que me irrita, já li muito sobre ela, vi filmes e independente da versão sempre arrumo um motivo para me irritar com ela, não gosto das atitudes nem da cara de vítima.
    É uma pena porque realmente parece um bom livro, quem sabe em um outro momento eu esteja preparada para algo assim...

    Beijos

    http://kastmaker.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  7. Eu gosto muito de mitologia,e esse livro esta aqui em casa esperando pacientemente para ser lido,eu não sei se estou no clima de lê-lo agora,sua resenha e muito sincera e mesmo gostando muito do que li,acho que o livro merece uma atenção especial por conta das metáforas e da narrativa lírica,mas com certeza me dedicarei a ele em breve!!!

    Estou curiosa quanto ao romance de Helena e Heitor!!!

    Amei a resenha Patrícia!!!

    bjsss

    Bianca

    www.apaixonadasporlivros.com.br

    ResponderExcluir
  8. Eu sou uma apaixonada por História, Literatura e Mitologia. Sou formada em Letras, exatamente, pela paixão que temas como esse exercem sobre mim. AMEI!

    ResponderExcluir

Deixe seu Comentário!