RESENHA: MAGIA ROUBADA (O GUARDIÃO #2) - MARY JO PUTNEY

quinta-feira, 1 de novembro de 2012


Título Original: Stolen Magic
Autor: Mary Jo Putney
Tradutor: Renato Motta
ISBN: 8528615707
Páginas: 490
Formato: 16 x 23 cm
Editora: Bertrand Brasil

Sinopse: Presença constante nas listas de mais vendidos do New York Times, Wall Street Journal e Publishers Weekly, e vencedora de prêmios literários importantes, Mary Jo Putney apresenta seu segundo livro no Brasil: Magia Roubada. Uma trama em que a magia e a ciência se encontram e onde o amor e as obrigações se enfrentam.

O universo mágico está de volta com todo o romance e a aventura que encantaram os leitores em Um Beijo do Destino. O universo mágico, situado na exuberante paisagem londrina do século XVIII, agora é retomado pela incrível história de Simon Malmain, o duque de Falconer.

Magia Roubada possui personagens bem-desenvolvidos e uma trama que deixa o leitor a todo momento tenso com uma possível reviravolta. Putney alia amor, erotismo e ficção científica na medida certa, criando um livro que agradará tanto os fãs românticos quanto os fanáticos por fantasia.
Quando lançado em 2005, o livro foi considerado um dos dez melhores romances do ano pela Booklist, além de concorrer ao Romantic Times Award. 


RESENHA
Quando li Um Beijo do Destino, o primeiro livro da série O Guardião, fiquei encantada com a narrativa da autora, que une um romance de época com algumas fundamentações históricas, e baseadas com elementos de magia.  Cada livro tem um casal central, todos são magos com poderes e dons mágicos. Mary Jo Putney escreve uma narrativa bem construída e desenvolvida que garante uma leitura prazerosa.



Antes de começar resenha, quero esclarecer sobre o termo “Guardiães”, os magos mais poderosos que integram um grupo intitulado, Conselho dos Guardiães, são denominados “Guardião”, automaticamente o plural torna-se “Guardiões”, mas o tradutor optou pelo plural “Guardiães”, fiz uma pesquisa, e algumas deram que “Guardiães” seria o plural para o termo feminino, no caso Guardiã, mas o correto é que tanto faz o plural ser Guardiões ou Guardiães, no caso da tradução brasileira, ficou o plural como “Guardiães”.



O livro Magia Roubada, o segundo livro da série O Guardião (inglês é The Guardian), têm como personagens principais Megan Harper (Meg) e Simon Malmain (Conde de Falconer), apenas Simon aparece no primeiro livro, ele é um caçador de magos, que trabalha na fiscalização das leis dos Guardiães, caso algum mago utilizar a magia para o mal, Simon tem autorização de retirar todos os poderes do mago.


Numa dessas missões, ele se confronta com Lorde Dayton, que era suspeito de estar abusando da magia, durante esse encontro, Lorde Dayton lança um encanto contra Simon, que o transforme em um ser místico, mesmo impossibilitado, Simon consegue fugir, e conta com a ajuda de Meg, que por efeito de amiga aparentava ser apenas uma jovem serviçal do castelo de Lorde Drayton, desse encontro surge revelações, tanto em relação verdadeira identidade da Meg, como também os reais objetivo de Lorde Drayton com o uso indevido da magia, que senão for impedido modificará a vida de todos.


Mas não só de problemas negativos vivem Meg e Simon, durante a fuga e o convívio descobrem afinidades, surgem sentimentos e também algo que os une que momentaneamente não podem ficar separados para não prejudicar a ambos.

Meg era mantida como empregada do castelo, muito jovem foi raptada por Drayton, o qual a manipulava através de encantamentos, não se lembrava da família, e nem de onde vivia antes do castelo, ao encontrar Simon, descobre que têm forte poderes mágicos, além de ter alguém que pode confiar para protegê-la, e até descobrir sua verdadeira.


Enquanto Simon, desde o primeiro livro, vemos nele um solteiro convicto, que vivia só para o Conselho, nesse livro descobrimos outro lado de Simon, o que realmente aconteceu na sua infância e até um amor não correspondido, o que explica a resistência dele em aceitar os sentimentos por Meg.


Magia Roubada é completamente diferente do primeiro livro, muitas vezes quando tem uma trilogia e mesmo sendo de casais diferentes, os autores não fogem muito do contexto de um livro para o outro, no caso deste, a autora fez um novo livro, talvez a única ligação com o primeiro seja o fato dos personagens de Um Beijo do Destino aparecerem nesse, mas nenhum livro tem uma ligação com o outro, tanto na fundamentação histórica, quanto na aplicação da magia, e até mesmo no toque do romance.


Em primeiro lugar, enquanto no primeiro livro era simplesmente utilização tradicionalmente da magia, no segundo livro, a Seautora cria ligação da magia com mecânica industrial, apesar do ano que se passa a história do livro, a autora trouxe um pouco do início da era industrial, algo que só aconteceu após 1800. Apesar da autora não ter se aprofundado muito, ela só fez essa ligação para definir os motivos de Drayton.

E nesse livro o leitor descobre um pouco mais como funcionam conceitualmente os elementos de magia idealizados pela autora, já que o segundo livro foi mais concentrado nos poderes de cada personagem do que num âmbito geral.


Também há uma diferença do toque de romance, o casal é bem mais romântico, já que o do primeiro livro tinha uma disputa de visões e ideais, nesse segundo livro a abordagem gira em torno de sentimentos e responsabilidades, ambos tem como objetivo impedir as ações de Drayton, e desse convívio ira definir a relação.


Apesar do preceito da personagem de Meg se manter virgem em benefício de Simon, não impede de surgir cenas sensuais, já que eles são casados, mesmo que seja por aparência, eles são obrigados a conviverem juntos, o que cria um clima de tensão sexual, porém é muito mais romântico, é mais valorizado o crescimento de sentimentos entre ambos e como consequência a relação sexual.


Conclusão: Se perguntar qual dos dois livros é o melhor, a resposta seria os dois, já foram abordagens diferentes.

Em relação à veracidade histórica, com certeza  Um Beijo do Destino é um pouco mais real do que esse, já que a autora adiantou um pouco o tempo, porém não deixa de ser interessante esse surgimento das máquinas a vapor, e o fato ser explicitado satisfatoriamente no livro.


Outro ponto mais forte nesse livro do que no primeiro livro da série, é a magia que foi bem mais explorada e utilizada, muitas vezes numa visão tradicional e outra mais interessante nessa união de algo supersticioso que é a magia, em algo exato que é a ciência física e matemática.

Os personagens, de maneiras diferentes a autora desenvolveu brilhantemente bem em ambos os livros, nos mostrando personagens cativantes e inesquecíveis, além dos personagens principais, temos outros personagens nessa história que acrescentaram a trama, inclusive a personagem do próximo livro Jane, que é a irmã de Duncan o personagem do primeiro livro da trilogia.


Mas um ponto semelhante em ambos os livros, é que Mary Jo Putney, consegue levar o leitor a uma viagem um mundo ficcional, o equilíbrio no qual ela explicita, magia, romance, acontecimentos históricos, mas acima de tudo a excelente escrita e a condução da história fazem da Mary Jo Putney uma das mais incríveis autoras de livro de romance histórico de fantasia.

Confira o site da autora! Sem Resenha Clique aqui para conferir a resenha! Siga a editora! Curta o facebook! Confira o site da editora Adicione na sua estante! Adicione na sua estante! Clique aqui para conferir a resenha! Adicione na sua estante!

6 comentários

  1. Oi Pá!

    Dessa trilogia, eu só tenho o primeiro livro =(

    Estou pensando em comprar no final do ano esse livro \o/

    Várias pessoas me indicaram e falaram muito bem da história, não posso deixar de conferir \o/

    Bjs!

    ResponderExcluir
  2. Ahhh mais uma resenha linda,que me conquista e me faz ir correndo atrás do livro,não conhecia a autora,nem a trilogia e fiquei apaixonada pela história!!

    AMEI os quotes que você separou,que só me fizeram ficar com mais vontade ainda de ler o livro.


    bjsss

    Bianca

    www.apaixonadasporlivros.com.br

    ResponderExcluir
  3. Adorei a resenha Patthy! Vc sabe que comprei esses dois livros por sua causa né? Vc tinha me indicado e eu comprei! Não é comum ver resenha desses livros pela blogosfera, portanto é muito agradável ler a impressão de uma leitora que sei que é sempre muito crítica e sincera. Portanto críticas positivas são extremamente bem vindas quando compramos os livros e ainda não tivemos oportunidade de lê-los. Excelente resenha! E faz muito o meu tipo de leitura!

    ResponderExcluir
  4. Oi, Paty!!!

    Adorei a resenha (mas como assim eu não conhecia essa série até agora??!!) Necessito urgente de qualquer um deles, nem precisa ser na ordem certa. Se vc diz que é bom, dá pra confiar de olhos fechados. Amei os trechos selecionados para as montagens, só me deixou com mais vontade de começar a ler a serie logo *-*

    Beijooooos

    ResponderExcluir
  5. Ótima resenha Pati! Gostei muito do mote e possui todos os elementos que admiro em um boa leitura. Fiquei com uma imensa vontade de ler! Beijo!

    ResponderExcluir
  6. Já li o livro e adorei. Gostei do Simon desde o primeiro volume da trilogia e esperava ansiosa pelo seu livro. Agora a ansiedade é pela continuação.. rsrs.
    Bjkas!
    Monique Martins
    @moniquemar

    ResponderExcluir

Deixe seu Comentário!