LANÇAMENTOS EDITORA BERTRAND: MAIO

quinta-feira, 2 de maio de 2013



Os livros que serão lançados pela Editora Bertrand no mês de Maio.
Para fãs de Nora Roberts, está saindo o terceiro e último livro da Trilogia da Flores...

Lírio Vermelho
(Red)

Vol. 3: Trilogia das Flores
Nora Roberts

Trad.: Elsa T. S. Vieira

Literatura Estrangeira
Editora Bertrand Brasil
336 páginas
R$ 39,00
ISBN: 978-85-286-1680-4

O capítulo final da trilogia que emocionou leitores de todo o mundo

Após agradar o público com Dália azul e surpreender com Rosa negra, a Trilogia das Flores, de Nora Roberts, está de volta, com seu volume final, Lírio vermelho. Assim como todos os títulos da autora, o livro figurou nas principais listas de mais vendidos dos EUA e da Grã-Bretanha.

A trilogia começa com a morte repentina do marido de Stella Rothchild e sua mudança, com os dois filhos, para a misteriosa Harper House, em Menphis. Na casa, moram Roz Harper, severa dona do viveiro de plantas, e também a assombração da Noiva Harper. Lá, Stella fica amiga de Hayley Phillips. No segundo volume, as mulheres se unem ao Dr. Mitchell Carnegie para descobrir os ancestrais da família Harper. E, conforme o mistério por trás da identidade da Noiva começa a se desfazer, Roz percebe que está apaixonada pelo médico.

Em Lírio vermelho, a história está centrada, principalmente, em Hayley e sua filha, Lily. A vida das duas segue tranquila, até o dia em que a mãe se percebe atraída pelo filho de Roz. Por não achar tal sentimento correto, acredita que a Noiva Harper encontrou um modo de possuir sua mente e seu corpo. Será loucura da protagonista ou mais uma armadilha do fantasma?

Stella, Roz, Hayley e a Noiva Harper: um desfecho dramático aguarda as quatro mulheres cujas vidas – e a morte – estão para sempre interligadas.

“Que capacidade Nora Roberts tem de criar personagens que jamais saem da nossa lembrança.” (Publishers Weekly)

“A escritora favorita dos Estados Unidos.” (The New Yorker)
“Nora Roberts é uma artista das palavras. Pinta seus personagens com vitalidade e energia.” (Los Angeles Times)


Nora Roberts, autora número 1 da lista de bestsellers do mundo inteiro, com quase 200 romances publicados e mais de 600 milhões de exemplares vendidos, é saudada como uma contadora de histórias que possui versatilidade e talento. Nora detém a extraordinária média de venda de 40 livros por minuto. Doce Vingança, Segredos, O Amuleto, Resgatado pelo Amor, Santuário, A Villa, Três Destinos, Tesouro Secreto, Pecados Sagrados, Virtude Indecente, Bellissima e as trilogias (do Sonho, da Gratidão, do Coração, da Magia, da Fraternidade e do Círculo), entre outros títulos, foram publicados pela Bertrand Brasil. Sob o pseudônimo J.D. Robb, escreve os livros de suspense que integram a série Mortal, que já acumula 19 lançamentos no Brasil. Saiba mais em www.seriemortal.com.br.


A montanha prateada
(Silver Hill)

Vol. 3 - As Aventuras de Jack Brenin

Catherine Cooper

Trad.: de Maria de Fátima Oliva Do Coutto

Literatura estrangeira, Infantojuvenil
Editora Bertrand Brasil
238 páginas
R$ 29,00
ISBN: 978-85-286-1662-0

Leitura obrigatória para os fãs de aventura e magia

Após A Noz de Ouro e O Portal de Glasruhen, Catherine Cooper, autora vencedora do Brit Writers Awards, apresenta o volume mais esperado da série As Aventuras de Jack Brenin: A montanha prateada. Presente nas principais listas de mais vendidos da Inglaterra, a série já vendeu mais de 500 mil exemplares no Reino Unido.

Tentando equilibrar as exigências da sua vida “real” e as necessidades e obrigações que tem como O Eleito de um universo mágico, Jack Brenin precisará evitar sozinho que os últimos dragonetes restantes na Terra sejam assados em um banquete dos Spriggans. Usando seu Livro das Sombras como guia e com seus amigos Camelin, o corvo, e Timmery, o morcego, Jack parte para o ataque na montanha prateada.

Neste terceiro volume, Jack terá que explorar o seu potencial ao máximo, tomar atitudes maduras e decisões importantes, além de enfrentar enormes desafios para ajudar seus amigos e, por fim, resolver os problemas em Annwn.

Catherine criou uma história para todas as idades que fará com que os mais velhos e mais experientes sejam transportados à época de uma juventude já esquecida. A trama é bem-elaborada e rapidamente os leitores perderão as noções de tempo e espaço. Alguns dos ingredientes que tornam a obra tão especial são o senso de magia e o charme intrínseco à narrativa.

A série As aventuras de Jack Brenin já vendeu mais de 3 milhões de exemplares em todo o mundo.


Próximo volume: O tesouro perdido de Annwn

“Um livro para ser lido tanto pelos amantes de aventura quanto pelos admiradores de histórias fantásticas.” (National Geographic Kids)

“Assim como os dois livros anteriores, A montanha prateada prende leitores de todas as idades, apesar de ter sido escrito para um público infantojuvenil.” (Goodreads.com)


Catherine Cooper nasceu em Shropshire, Inglaterra. Foi professora primária durante quase trinta anos antes de descobrir que adoraria escrever para crianças. O amor de Catherine por história, mitos e lendas e pela região rural de Shropshire ganham brilho graças às suas encantadoras histórias. 



Amor
(Amor)

Isabel Allende

Tradução dos textos introdutórios: Joana Angélica d’Avila Melo

Literatura estrangeira
Editora Bertrand Brasil
240 páginas
R$ 29,00
ISBN: 978-85-286-1710-8

Um convite a mergulhar na leitura, a sonhar e a sorrir
A grande narradora chilena escreve abertamente sobre suas experiências e emociona os leitores

O novo livro de Isabel Allende, Amor, é uma antologia que reúne as melhores cenas de amor dos seus romances e contos, selecionadas pela própria autora. A ideia inicial partiu de seu editor e Allende logo ficou entusiasmada com o projeto. Para alguns trechos, inspirou-se nas próprias experiências amorosas ou nas de conhecidos.

Ao longo da introdução do livro, a autora faz um desabafo honesto e emocionante a respeito da sua vida. Narra como foi a passagem pela infância e pela adolescência e o papel da sexualidade nessa época, além de histórias de sua fase hippie e de como foi o escândalo na sua primeira reportagem em uma revista feminina. Um dos pontos altos é quando ela descobre, aos 33 anos, a sensualidade.

Em Amor, Isabel conta também como a escrita foi fundamental em sua vida, pois, segundo relata, é onde ela pode viver todas as aventuras que seriam impossíveis na vida real. Ainda na introdução, aborda a infidelidade, a vida em Beirute, no Líbano, e o encontro com seu marido atual, William Gordon.

O livro é dividido por temas e, em cada um deles, há uma seleção de textos que abrange vários títulos, entre eles: A ilha sob o mar, Filha da fortuna, A soma dos dias e A casa dos espíritos. Para tornar essa escolha mais especial, antes dos capítulos, Allende explica o motivo da escolha dos trechos.

Se existe alguém capaz de descrever com maestria, humor e personalidade a natureza caprichosa do amor, esse alguém é Isabel Allende.

Os últimos anos têm sido de extrema importância para a autora. Em 2010, ela ganhou no Chile o Prêmio Nacional de Literatura. No ano seguinte, lançou O caderno de Maya, livro que, segundo ela, foi um dos mais difíceis de escrever em toda a carreira. Já em 2012, venceu o Hans Christian Andersen Literature Award, considerado o Prêmio Nobel da literatura infantojuvenil, por As aventuras da águia e do jaguar.

Próximo livro: Ripper, sua estreia no gênero policial.

Isabel Allende, de nacionalidade chilena, nasceu em Lima, em 1942, e trabalha como jornalista e escritora desde os 17 anos. Entre suas obras estão De amor e de sombra, Eva Luna, O plano infinito, Contos de Eva Luna, Paula, Afrodite, Filha da fortuna, Retrato em sépia, Meu país inventado, Zorro, Inés da minha alma, A soma dos dias, A ilha sob o mar, O caderno de Maya e a trilogia As Aventuras da Águia e do Jaguar, integrada por A cidade das feras, O reino do dragão de ouro e A floresta dos pigmeus. Todos os títulos da autora no país foram publicados pela Bertrand Brasil.


Bom de briga
(Fighting Ruben Wolfe)

Markus Zusak

Tradução de Ana Resende

Literatura Estrangeira
Editora Bertrand Brasil
208 páginas
R$ 24,00
ISBN: 978-85-286-1653-8

Markus Zusak mostra que nem sempre quem ganha é o vencedor

Na continuação do sucesso O azarão, Markus Zusak apresenta o emocionante Bom de briga. Se no primeiro título o autor traz um romance de formação de um jovem incorrigível, infeliz consigo mesmo e com sua condição marginalizada, agora ele exibe dois irmãos em busca de um propósito na vida.

Bom de briga retrata a evolução dos irmãos Cameron e Ruben Wolfe como seres humanos. No primeiro livro, a dupla estava sempre atrás de algo errado para fazer. Dessa vez eles entram no mundo das lutas amadoras de boxe, buscando independência para suas vidas. Enquanto Ruben mostra um talento nato para a coisa, o outro tenta apenas sobreviver.

Tudo que é ruim é normal no dia a dia da família Wolfe: como os silêncios, as brigas, a pobreza, a mediocridade. Eles já se acostumaram com isso e sempre têm uma justificativa para tanto. Cameron, o mais novo, é o exemplo do jovem batalhador. Desde cedo apanha e se levanta, mostrando que o que importa não é a força da pancada, mas se você tem a força necessária para se reerguer.

É interessante notar como Zusak intercala, dentro do mesmo capítulo, cenas do passado e do presente dos personagens, ressaltando a diferença dos seus sentimentos ao longo do tempo.

Bom de briga é seu segundo livro do autor pela Bertrand Brasil. Com ele, Zusak ganhou o CBCA Children's Book of the Year Award, um dos mais importantes prêmios literários australianos para o público jovem.

“Tento ser humano em minha escrita. Comecei a escrever porque era o caminho natural. Durante o ensino médio eu era muito introvertido. Sempre tinha histórias na cabeça. Então, comecei a escrevê-las.” (Markus Zusak)
“Clube da luta encontra Vidas sem rumo neste livro forte e, ao mesmo tempo, sensível.” (Barnes & Noble)

“Os leitores irão amar e admirar os personagens desse livro que é um tesouro.” (The New York Times)


Markus Zusak nasceu em 1975 em Sydney, Austrália. É filho de imigrantes e caçula de quatro irmãos. Passou a maior parte de sua infância jogando futebol e brigando com seus irmãos e amigos, mas começou a escrever aos dezesseis anos. Estudou na universidade durante quatro anos, mas estava mais preocupado com sua escrita. Vive em Sydney onde é professor em meio período. 




Do povo para o povo
(Of the People, by the People: A New History of Democracy)

Roger Osborne

Tradução de Ludimila Hashimoto

Não ficção, Política
Editora Bertrand Brasil
476 páginas
R$ 55,00
ISBN: 978-85-286-1682-8

A democracia é o motor da prosperidade ou um luxo que só os prósperos podem ter?

Do povo para o povo, de Roger Osborne, apresenta sob um novo olhar a história da democracia. Para isso, prova que os sistemas são sempre um reflexo da cultura e da história locais em que nascem e surgem por meio de oportunidades passageiras. Explica como o passado e as diferentes democracias se combinam para formar o presente. A narrativa começa na Grécia Antiga e estende-se até a Primavera Árabe.

A maioria dos livros sobre o assunto se concentra na teoria e na análise políticas, numa vã tentativa de definir esse tipo de governo. Do povo para o povo usa uma abordagem diversa, levando em conta as histórias das diferentes democracias dos últimos dois mil e quinhentos anos. De Atenas à Grécia, de Jamestown a Nova Délhi, de Putney a Pretória.

Um dos grandes êxitos do autor foi escolher apenas estudar e narrar a ascensão e a queda da democracia ao longo dos tempos, em vez de se aprofundar sobre alguma teoria particular acerca do surgimento de tal sistema político. Osborne fornece um contexto social, cultural e histórico que ilustra a consolidação da democracia ao longo dos séculos.

Do povo para o povo é um estudo amplo e preciso do tema, abordando épocas e episódios muito avaliados pela maioria das pessoas, como a Revolução Francesa e a democratização da Índia, além de outros menos conhecidos, como a criação das Três Ligas, na Suíça.

“Roger Osborne desafia as suposições que fundamentam a sociedade ocidental.” (Observer)

“Um trabalho admirável: recontar a história da democracia de forma tão vívida não é tarefa fácil. Seu trabalho serve como um lembrete: o preço da liberdade democrática é a eterna vigilância.” (BBC History Magazine)

“Uma escrita lúcida, uma prosa precisa que passa com leveza as informações mais complexas.” (Independent on Sunday)

Roger Osborne nasceu em Scarborough, na costa norte da Inglaterra. Com seus livros, tem inovado a forma de ver o passado e o modo como ele afeta o presente. Do povo para o povo é sua estreia no Brasil.


O filho renegado de Deus

Urariano Mota

Literatura Brasileira, Romance
Editora Bertrand Brasil
350 páginas
R$ 42,00
ISBN: 978-85-286-1672-9

Para a mulher que não é respeitada como pessoa e para os homens que não podem viver em uma sociedade tão mutiladora

O filho renegado de Deus, novo romance de Urariano Mota, faz uma denúncia e uma longa oração de amor para as mulheres vítimas da opressão cultural e de classes no Brasil. Para isso, tece histórias e personagens que trafegam por realidades sociais e políticas diferentes entre si, aprofundando o efeito devastador das injustiças e dos preconceitos sobre a humanidade.

O romance traz as lembranças de Jimeralto sobre a falecida mãe, após um encontro que o faz reviver o trauma pela perda. As memórias do protagonista passeiam, de modo refinado, pelos personagens da vila miserável onde ele vivia quando jovem, quase um cortiço, com descrições de episódios e de personagens que não temem momentos de adversidade.

Além da narrativa afiada e sofisticada, um dos pontos fortes do livro são os personagens marcantes, como o casal Esmeralda, mulher bonita que todos cobiçam, e Cicílio, candidato a corno, além do seu filho Nininho, que sofre com a popularidade da mãe; as muitas Marias, identificadas pela letra que marca a casa; e Selma, primeiro amor de Jimeralto.

Neste romance, o ajuste, o coração e o lirismo andam juntos, unidos, porque o livro pune e desnuda. O cotidiano da vila e de seus moradores envolve o leitor e o conquista pelo seu conteúdo humano e dramático.


Elogios aos livros anteriores:

“Mas no caso de Urariano, a pesquisa – aliada à própria experiência – serviu apenas como pano de fundo para escrever o romance sobre sua musa”.
(O Globo)

“O que conta aqui é a eficiência da escolha, por Urariano, do gênero romance para examinar todas as questões.” (O Estado de S. Paulo)


Urariano Mota é escritor, jornalista e autor de Soledad no Recife. Antes, publicou Os corações futuristas, romance que narra a formação de jovens durante a ditadura Médici. Atualmente, é colunista do Direto da Redação e colaborador do Vermelho. Este é seu primeiro livro pela Bertrand Brasil.



Papillon
(Papillon)

Henri Charrière

Tradução de Mário Varela Soares
  
Biografia
Editora Bertrand Brasil e Editora Saraiva
728 páginas
R$
ISBN: 978-85-286-1655-2

A história real que se tornou uma das mais fantásticas odisseias contemporâneas

Publicado originalmente em 1969, e no Brasil em 1975, pela Editora Difel, o polêmico Papillon, a história do homem que fugiu do inferno, de Henri Charrière, chega às livrarias pela Bertrand Brasil em edição revisada e atualizada.

Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica.

Quando publicado na França, Papillon foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação.

Papillon é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e perseverança. A história de um homem que não se deixou vencer. Ao lê-lo, o leitor estará certo de ter um thriller nas mãos.

“Um livro polêmico e que perdura como uma das grandes aventuras narradas pelo homem.” (Washington Post)

“Uma escrita ágil, mesmo para um épico. Prende do começo ao fim e conduz o leitor a um desfecho dramático.” (The New York Times)

“Um dos maiores clássicos de fuga e aventura do século XX.” (Le Monde)

Henri Charrière nasceu em Ardèche, França, em 1906, e faleceu em Madri, em 1973. Foi um ex-militar da Marinha francesa. Após entrar para a reserva, passou a praticar pequenos golpes em Paris, até ser acusado de assassinato e ser mandado para um presídio na Guiana Francesa, onde conheceu outros condenados que foram incluídos na trama do livro, publicado mais de duas décadas após sua fuga. Depois de escapar em direção à Venezuela, no ano de 1945, ele se casou e viveu em Caracas, onde abriu um restaurante. Morreu na miséria, após gastar todo o dinheiro ganho com a publicação do livro na produção de um filme que foi fracasso total de bilheteria.



Puro
(Pure)

Andrew Miller

Tradução de Regina Lyra

Literatura Estrangeira, Romance Histórico
Editora Bertrand Brasil
378 páginas
R$ 44,00
ISBN: 978-85-286-1660-6

Uma metáfora de um país à beira da revolução

Vencedor do Costa Book Prize e considerado pelo The Guardian um dos dez melhores romances históricos de todos os tempos, Puro, de Andrew Miller, analisa de maneira inteligente, por meio de fatos, a sociedade francesa quatro anos antes da Revolução.

1785. Jean-Baptiste Baratte, um jovem engenheiro iluminista, tido como amante de Voltaire, recebe uma missão desafiadora do rei Luís XVI: livrar-se da igreja e do cemitério de Les Innocents. No início, o protagonista percebe nessa empreitada uma chance de limpar o fardo da história, a tarefa perfeita para um homem moderno, do futuro, da razão. Ele logo sente, porém, que a igreja e o cemitério são apenas prenúncios de uma queda maior que ainda está por vir.

Miller utiliza seu herói, Jean-Baptiste, e a destruição da igreja e do cemitério como formas de dramatizar uma das grandes questões do Iluminismo: qual é a situação do passado? É algo a ser valorizado e preservado ou deveria ser simplesmente esquecido? Esse aniquilamento é utilizado pelo autor como uma metáfora do progresso e da disposição de deixar o passado corrupto e tirânico para trás.

Puro possui um estilo elegante, é primorosamente escrito e tem um final diferente do que o leitor possa imaginar. Um livro sobre a impureza da sociedade da época, o que o protagonista reconhece como a sujeira do mundo. Uma trama que se resume a favor da bagunça, do enfrentamento.

“Miller escreve como um poeta, com uma simplicidade enganosa. Suas frases e imagens são destilações intensas, evocando com clareza os detalhes fugazes da existência.” (The Guardian)

“Sua recriação da Paris pré-Revolução é extremamente vívida e imaginativa, e a história é tão emocionante que você não vai parar de ler.” (The Times)

“Poderoso e surpreendente. Ao concentrar-se nos personagens e atalhos da história, Miller evoca de forma estranhamente tangível um mundo que já não existe.” (Financial Times)

Andrew Miller nasceu em Bristol, Inglaterra, em 1960. Seus romances anteriores foram sucesso de crítica e ganharam prêmios literários importantes, como o James Tait Black Memorial Prize, o International IMPAC Dublin Literary Award e o Grinzane Cavour Prize. É considerado um dos escritores mais importantes da língua inglesa. Com Puro, seu livro de estreia no Brasil, além de ganhar o Costa Book Prize, foi finalista do Walter Scott Prize e do South Bank Award. Já viveu na Espanha, no Japão, na França, na Irlanda e, atualmente, vive em Somerset, Inglaterra.



Terror
(Men inte om det gäller din dotter)

Jan Guillou

Tradução do original sueco: Jaime Bernardes

Literatura estrangeira, thriller
Editora Bertrand Brasil
490 páginas
R$ 55,00
ISBN: 978-85-286-1584-5

O autor perfeito para os fãs de John Le Carré e Len Deighton

Jan Guillou é indiscutivelmente o autor sueco que mais livros vendeu no mundo. Só em seu país são mais de 15 milhões de exemplares, sendo traduzido para mais de vinte idiomas. Ele é também o jornalista investigativo mais respeitado da Suécia, fato que auxiliou na criação da série de sucesso Os Desafios de Hamilton. Terror é seu segundo livro de suspense da série publicado pela Bertrand Brasil.

Após 13 anos de exílio na Rússia, o vice-almirante Carl Hamilton está de volta à Suécia para o julgamento em que é acusado de assassinato. Ao ser inocentado, acontece, porém, uma tragédia: a filha de seus amigos Pierre e Eva Tanguy, a pequena Nathalie, de 5 anos, é raptada. A partir daí, tem início uma caçada impiedosa à identidade do sequestrador. Quando fica claro quem cometeu o crime, Hamilton, Pierre e um grupo de legionários tentarão fazer um resgate heroico.

Assim como a maioria dos thrillers de Jan Guillou, Terror destaca-se por uma temática política, em que o realismo da trama deve-se, principalmente, aos anos em que o autor trabalhou como repórter.

A série, hoje com vinte títulos, possui sempre histórias repletas de mistério e ação, mas, principalmente, intrigas internacionais e espionagem, sempre com grande destaque ao lado emocional dos personagens.

No livro anterior, Madame Terror, o autor, diferentemente do que ocorre em romances com temática parecida, aborda a questão dos EUA versus mundo árabe pelo ponto de vista do segundo, mais especificamente dos palestinos. Já em Terror, Jan Guillou focou em como as grandes intrigas políticas mundiais afetam, em última instância, as relações particulares de todos, tecendo um suspense de tirar o fôlego.

Jan Guillou iniciou a sua carreira de escritor em 1971 e, desde então, já publicou 37 livros. Pela Bertrand Brasil, publicou, com enorme sucesso, a série As Cruzadas, em 4 volumes, com mais de 20 mil exemplares vendidos. Madame Terror foi o primeiro livro da série Os desafios de Hamilton.



3 comentários

  1. Não me interessei muito pelos lançamentos,só o da Nora que quero muito e senti falta de Sobrevivente Mortal,quando será que lança???

    bjsss

    Bianca
    http://www.apaixonadasporlivros.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Oi Bia a previsão da editora é para o inicio de Junho.

    ResponderExcluir
  3. As editoras estão com ótimos lançamentos este ano, mas apesar disto, dentre os livros da Bertrand só me interessei pelo da Nora Roberts...Vamos ver se no mês de Junho fico mais animada com os lançamentos deles. Bjus
    Lia Christo
    www.docesletras.com.br

    ResponderExcluir

Deixe seu Comentário!