RESENHA: O PRÍNCIPE MECÂNICO (AS PEÇAS INFERNAIS #2) - CASSANDRA CLARE

segunda-feira, 10 de junho de 2013


Título Original: Clockwork Prince
Tradução: Rita Sussekind

Ano: 2013

Série: As Peças Infernais (The Infernal Devices)

Gênero: Ficção estrangeira

Páginas: 364 

ISBN: 9788501092694

Preço: R$ 39,90

Leia o 1º Capítulo: clique aqui 


Sinopse: Tessa Gray não está sonhando. Nada do que aconteceu desde que saiu de Nova York para Londres — ser sequestrada pelas Irmãs Sombrias, perseguida por um exército mecânico, ser traída pelo próprio irmão e se apaixonar pela pessoa errada — foi fruto de sua imaginação. Mas talvez Tessa Gray, como ela mesma se reconhece, nem sequer exista. O Magistrado garante que ela não passa de uma invenção.

Para entender o próprio passado e ter alguma chance de projetar seu futuro, primeiro Tessa precisa entender quem criou Axel Mortmain, também conhecido como Príncipe Mecânico.



Príncipe Mecânico é o segundo livro da série As Peças Infernais da autora Cassandra Clare, a mesma autora da série Instrumentos Mortais, e talvez seja uma das poucas autoras de Y.A que ainda me faz ler livros desse gênero. 


Apesar da similaridade de quase todos os outros livros do gênero, mas o estilo da autora de conduzir a narrativa tem um diferencial em relação aos outros. Eu sou grande fã da série Instrumentos Mortais (Cidade dos OssosCidades das Cinzas e Cidade de Vidro – clique em cada título para conferir a resenha feita pela Scheila).


Porém essa trilogia As Peças Infernais  e o primeiro livro, Anjo Mecânico e agora Príncipe Mecânico, o livro dessa resenha definitivamente a autora me conquistou, fiquei impressionada com a criatividade da elaboração da narrativa, com a construção dos personagens e também um contexto um pouco maduro do que Instrumentos Mortais.


A Trilogia As Peças Infernais  é ambientada no ano 1878, podemos dizer que é uma espécie de “prequel” da série Instrumentos Mortais, porém não é necessário ler essa trilogia primeiro que a série, pois o contexto é completamente diferente , apenas alguns personagens que aparecem nessa trilogia serão encontrados futuramente na série Instrumentos Mortais, e também vários sobrenomes de personagens serão reconhecidos nos personagens da série.


E além da ambientação ser de época, a autora adicionou alguns elementos steampunk, não que eu seja especialista nesse gênero, mas realmente  me fascina o contexto com esses elementos, mesmo que a autora não ter aprofundando, mas o que ela nos apresentou tornou a leitura mais interessante.


No primeiro livro, Anjo Mecânico, nos é apresentado a personagem Tessa Gray que está de mudança dos E.U.A para Inglaterra onde encontrará seu irmão Nate, chegando na Inglaterra ela é raptada pelas Irmãs Sombrias, são demônios que querem aproveitar de um poder que até o momento Tessa não sabia da existência, e a partir daí a vida de Tessa muda.


Quando é salva pelos Caçadores de Sombras, ela irá descobrir que existe um outro mundo que ela terá de explorar, e além de descobrir que tem o poder de transformar em outras pessoas, e apesar de caracteriza-la uma feiticeira, porém ela não tem a marca dos feiticeiros e por isso ela ainda terá que descobrir quem realmente é.


Após o resgate ela começa a morar no Instituto dos Caçadores de Sombra na Inglaterra, que é dirigido por Charlotte e Henry Branwell, onde moram o impetuoso William Herondale (Will), o amável James Carstairs (Jem) e Jessamine Lovelace.


Além de todo o caos em sua vida, Tessa irá descobrir o amor, quando começa uma possível relação com o Will, mesmo ele sendo algumas vezes frio, esnobe e muito sarcástico, nota-se uma mudança de comportamento quando está com Tess, porém Will guarda segredos que o impedem de relacionar com Tessa e por isso ele tenta se afastar abrindo caminho para o amável e frágil, James Cartairs, parabatai de Will, eles têm uma forte relação de amizade e Jem também irá se apaixonar por Tess, com isso construindo um apaixonante triângulo amoroso.


Porém Tessa torna-se objeto de interesse de Axel Mortmain um poderoso empresário que tem o objetivo de construir um exército de autônomos para destruir os caçadores de sombra e dominar o mundo humano e o submundo, inicialmente desconfiava que era por causa do poder de Tess mas no final não ficou definido se era apenas isso o interesse de Mortmain por ela.


Em Príncipe Mecânico a autora centralizou bem mais no desenvolvimento sentimental desse triângulo formado por Tess, Will e Jem.  Como citei anteriormente é um triângulo apaixonante, porque as três pessoas envolvidas tem sentimentos fortes ligados uma a outra.

Will e Jem  tem uma forte ligação por causa do juramento que eles fizeram de se tornarem parabatai um do outro, que consiste que um protege o outro em qualquer situação, como se fosse uma ligação de sangue, e com isso promoveu uma amizade profunda entre ambos. Apesar de a ideia ser de Will proteger Jem por causa da sua doença e com isso deixa Jem mais frágil, mas na realidade Jem é o porto seguro de Will.


Will tem um grande segredo, todo esse temperamento arrogante e irritante de Will em relação às pessoas como se quisesse afastá-las, até o modo que ele magoou Tessa no final de Anjo Mecânico, é realmente com esse propósito, e Jem se tornou tudo para Will, mesmo que o próprio Jem não soubesse disso, pois até do amigo ele guarda o segredo.


Porém com seus sentimentos fortes por Tessa, Will tentará se livrar desse segredo com ajuda de Magnus Bane. Para quem já gostou do personagem Will no primeiro livro, irá se apaixonar definitivamente por ele em Príncipe Mecânico, ele começa a ceder aos sentimentos mesmo sabendo que não poderá tê-los. Os diálogos entre ele e Tessa são maravilhosos, para pessoas que gostam de ler, Will por ser solitário se apegou aos livros, e ele muitas vezes demonstra alguns sentimentos em relação à Tessa e o próprio segredo através de passagens de alguns livros.


Enquanto Will tenta se afastar de Tessa, Jem se aproxima ainda mais, passando mais tempo com ela, e com isso irá crescendo uma relação de amizade, carinho e afeto entre ambos, o que irá confundir os sentimentos de Tessa, que apesar de ficar dividida, ela também está numa fase de carência por ser desprezada por Will, por ter perdido tudo que ela acreditava, ela retribui a atenção de Jem.


Mesmo não gostando muito de triângulos, esse é diferenciado por isso, não tem disputas e sim um altruísmo em relação ao respeito e amizade que ambos tem um pelo outro.  Claro que a personalidade impetuosa de Will é mais atraente, porém a delicadeza e educação de Jem são cativantes.


Porém Will, Tessa e Jem tem outro desafio nesse livro tentar manter o Instituto sobre o comando de Charlotte que ficou ameaçado após uma proposta de Benedict Lightwood para o Conselho, e terão de correr contra o tempo para descobrir informações sobre Mortmain que desapareceu no final de Anjo Mecânico.


Mas Charlotte precisa de ajuda, então Benedict cede seus dois filhos Gabriel e Gideon para treinar Tessa e a empregada Sophia Collins para lutarem futuramente contra um possível exército que Mortmain está elaborando.


Nesse livro começa um envolvimento de Gideon Lightwood com Sophia Collins, e essa relação poderá ajudar Charlotte em relação a manter a Instituição sob seu comando.

Reparações: Quando alguém do Submundo, ou um mundano, alega que um Caçador de Sombras transgrediu a Lei ao lidar com a referida criatura, precisa apresentar uma reclamação através da Reparações. Então há um julgamento e o membro do Submundo recebe alguma espécie de indenização, baseada nas provas apresentadas para justificar a reclamação.
Em relação a Axel Mortmain ele não aparece nesse livro, apenas descobrimos que a motivação de Mortmain em destruir os caçadores vai além da ganância e sim tem um grande sentimento de vingança. E também descobrimos até onde vai à influência de Mortmain no meio dos caçadores de sombras.



Conclusão: O Príncipe Mecânico foi uma preparação para o terceiro e último livro da trilogia.

Esse triângulo amoroso, e a decisão final desse livro em relação a isso, irão provocar alguns sentimentos contraditórios aos leitores, as escolhas foram feitas por amor ou por amizade ou carência???


Outro ponto interessante nesse livro, é que personagens secundários ganharam espaço no livro, Sophia Collins, a própria relação de Charlotte e o esquisito Henry foi desenvolvida melhor nesse livro.

O príncipe mecânico foi um livro que esclareceu alguns pontos, porém deixou outros tantos obscuros, inclusive para fazer uma resenha tornou-se complicado, pois alguma informação a mais torna spoiler.


Por ser uma trilogia, a autora centralizou esse livro em definir algumas relações de personagens para não ter que ficar correndo na narrativa no terceiro livro como aconteceram em várias outras trilogias.

Príncipe Mecânico foi um livro emocionante em relação aos sentimentos dos personagens, e ao mesmo tempo instigador, que esclarece alguns pontos e deixa tantas outras interrogações.

E por tudo isso, digo que a trilogia As Peças Infernais tornam-se definitivamente minha preferida no gênero Y.A.


Encontrei no blog Lâmina de Serafim um canção inspirada na trilogia As Peças Infernais, confira abaixo o vídeo com a letra da música, e clique aqui para acessar a página e descobrir como baixar a música:


curta a editora Acesse o site da editora Siga a editora! Confira o booktrailer Curta o facebook da autora! Siga a autora! Confira o site da autora! Adicione na sua estante! Adicione na sua estante! Adicone na sua estante! Sem Resenha Confira a resenha Confira a resenha!
CLIQUE NAS IMAGENS PRA ACESSAR OS RESPECTIVOS LINKS

5 comentários

  1. Nossa como eu queria ler Cassandra Clare, e como eu queria dar início a mais uma série, mas o tempo não está a meu favor...são tantos livros bons que to ficando doida rsrsrs.
    Gostei da música.

    Beijos
    Leituras da Paty

    ResponderExcluir
  2. Nossa Patrícia, que resenha maravilhosa e completa! Você acredita que meu filho tem esta série Instrumentos Mortais, fala super bem dela e eu ainda não tive tempo de ler??? Agora vendo sua resenha desta outra série e sabendo que elas estão relacionadas, fiquei aqui agoniada querendo ler... Vlw pela dica e pelas explicações. Bjus
    Lia Christo
    www.docesletras.com.br

    ResponderExcluir
  3. Adorei a resenha! Eu só leio boas criticas dessa autora e suas séries. Estou comprando tanto os livros de Instrumentos Mortais como da Trilogia Peças Infernais. Vou ler depois, tudo em sequência... Será que seria até mais interessante comçar por Peças Infernais? Belas montagens Patthy! Bjus!

    ResponderExcluir
  4. Oi Pá!

    Eu acho que vou ler o primeiro livro antes de começar esse o.O
    Eu nem lembro mais o que aconteceu no primeiro kkkkk

    Bjs!

    ResponderExcluir
  5. Sua resenha me conquistou no terceiro parágrafo,são tantos elementos que eu amo reunidos nesse livro,preciso ler esses dois já lançados para ontem.

    arrasou na resenha!!

    bjsss

    Bianca

    http://www.apaixonadasporlivros.com.br/

    ResponderExcluir

Deixe seu Comentário!