RESENHA: O ENIGMA DA BORBOLETA - KATE ELLISON

sexta-feira, 30 de agosto de 2013


Editora: Leya
ISBN: 9788580447408
Ano: 2013
Páginas: 312
Tradutor: Alice Klesck

Sinopse: Um suspense eletrizante onde qualquer movimento em falso pode ser fatal. Penélope Marin, ou simplesmente Lo, é uma adolescente um tanto incomum – ela sofre de transtorno obsessivo compulsivo, que ficou mais intenso depois da morte de seu irmão Oren. Além disso, Lo adora colecionar bibelôs, mesmo que tenha que roubá-los (Ela também tem traços de cleptomania). Num desses “resgates” – como ela mesma diz – Lo encontra uma bela borboleta, que pode ter colocado sua vida em perigo. Essa figura está ligada a um assassinato e Lo pode ser a única testemunha desse crime.

Resenha
Penélope Marin nunca foi uma garota que se enquadrou  nos padrões que a sociedade considera normal.O trabalho de seu pai,  fez com que a família se mudem constantemente. 

Ser sempre a garota nova na escola, não ter amigos e a incerteza de onde estará amanhã, vem custando um preço alto na vida de Lo.Inicialmente, surge a mania de colecionar objetos bonitos,logo ela começa também a furta-los, assim como o obsessão por simetria e organização.Ela sofre de transtorno obsessivo compulsivo, mais conhecido como TOC, e também é cleptomaníaca. O fato de os pais levarem uma vida corrida, e não ter tempo de prestar a devida atenção nos filhos, não percebendo o problema da menina,faz com que a doença vá gradativamente se agravando.

"(...)O negócio é o seguinte: eu não escolho pegar as coisas.Eu tenho que fazer isso.Sempre tive que fazer certas coisas (...)A principio, não era ruim.Apenas coisinhas, como o jeito que a comida se apresentava em meu prato,ou a necessidade de comer as ervilhas antes do frango, ou de colocar o sapato esquerdo antes do direito.E comecei a pegar coisinhas: uma escova de dentes ou uma barra de chocolate no mercado, canhotos de ingressos descartados no cinema, adesivos das crianças da escola.Mas depois que Oren desapareceu, ficou pior. Muito pior (...)O meu desejo  não é de pegar ou roubar,mas de possuir e guardar. Eternamente.Comigo. Em segurança.(...)"

Lo nunca teve amigos, a única pessoa de sempre esteve junto dela, é seu irmão mais velho, Oren, a constante em sua vida. Mas a algum tempo atrás, seu irmão começou a se afastar, passar mais tempo na rua do que em casa, a dormir fora, e quando voltava, estava transtornado.Os espaços de tempo em que Oren ficava fora, foram aumentando,e em suas poucas visitas, roubava os pertences da família.Logo ficou claro que ele esta envolvido com drogas. Depois de varias tentativas dos pais para uma internação, ele simplesmente desaparece.

Muito tempo se passa, até que um policial bate a porta dos Marin, e exatamente neste momento, o mundo de Penélope desmorona completamente. Oren foi encontrado morto em uma parte da periferia da cidade.

"(...)De todas,é a parte do "para sempre" que mais me assusta. A eternidade da morte. Sinto-me oscilando entre dois mundos  - carne e ar, osso e pó.(...)"

A vida de Lo já não era fácil, seus problemas já eram muitos, mas tudo fica horrivelmente pior depois disso. Além de ter que lidar com as necessidades que seu cérebro exige, como dar três tapinhas em cada uma das pernas, antes de entrar em algum lugar, a necessidade de reorganizar as prateleiras de seu quarto constantemente, contar as rachaduras da calçada... tudo isso até que feche uma quantidade que seja considerada "segura" por ela, ainda precisa aprender a sobreviver dentro da própria casa, já que sua mãe esta em depressão profunda, e coleciona vidros de calmantes na mesa de cabeceira e seu pai agora trabalha 16 horas por dia, para evitar a triste realidade da família.

Desesperada, e sem ter com quem conversar, Lo passa a vagar sem rumo pela cidade, e inconscientemente, acaba indo parar em "Neverland", a parte violenta da cidade, onde o corpo de seu irmão foi encontrado.E é ali que ela conhece Flynt, um jovem rapaz, morador de rua, que recolhe o lixo e transforma em arte.

É também nesta parte da cidade que acontece um assassinato.A dançarina de uma boate, chamada Sapphire, é cruelmente morta em sua própria casa.A garota não tem parentes ou amigos.Então Penélope toma para si a obrigação de descobrir o que realmente aconteceu a garota, e quando ela fica particularmente obcecada por algo, não a nada que a impeça, nem mesmo o perigo iminente.

"(...)Mas, antes que meu corpo possa se lançar adiante, onde estão as pessoas que verão, que saberão que algo está errado, o ímpeto irrompe em mim, a força imbecil e poderosa que se apodera do meu cérebro. E tenho de me curvar , tocar os dedos do pé, levantar; curvar, tocar os dedos dos pé, levantar; e na hora que termino, pronta para me erguer e sair correndo, braços me agarram pela cintura, tirando meu fôlego. Uma mão se ergue para cobrir meu rosto, meu nariz, minha boca, meus olhos.(...)"

Ultimamente eu tenho me surpreendido com livros que eu não tinha a menor intenção de ler, como foi o caso desse.

A Lo, é a personagem mais perfeitamente imperfeita que eu já conheci. Ela tem milhões de defeitos, manias e é constantemente ignorada, tanto pelos colegas, quanto pelos pais, mas, mesmo assim ela é forte, determinada e sensível, é completamente fascinante.Apesar de ter lidar com a perda do irmão, com a mãe doente e de travar uma perpetua luta interna contra ela mesma, ainda encontra uma maneira de se importar com o próximo.

A normalidade é algo que ela deseja desde sempre e nunca conseguiu, mas acaba encontrando em Flynt,um engraçado artista de rua.

O desenvolvimento de ambos os personagens é algo perfeito, todas as peculiaridades, assim como a sua personalidade é algo constante, do inicio ao fim, com historias complexas e bem elaboradas. Ok, tenho uma confessar que a forma como Lo investiga a morte de Sapphire é algo meio surreal, mas não deixa de ser fascinante, todas as reviravoltas e possíveis suspeitos, te carrega para  dentro da enredo, em certo momento você se pega desenvolvendo suas próprias teorias.Todos os fatos são perfeitamente coerente, ligados entre si, sem se perder em momento algum. Kate Ellison, criou uma trama policial magnífica, que prende o leitor do inicio ao fim, com a escrita simples e fácil, ela nos envolve completamente no mundo de Lo e Sapphire,que são completamente diferente e desconhecidas,uma para a outra, mas ao longo da trama, você percebe que a obsessão da Lo com a trágica historia da dançarina, não é algo ao acaso, existe um elo de ligação entre elas, que ninguém sabia, nem mesmo as duas.

Ao ler esse livro, eu me lembrei muito do filme "O poder da libélula", principalmente essa ligação entre a Penélope e a Sapphire.


O livro em si é uma obra linda, a capa condiz totalmente com o enredo,já que Lo é obcecada por números e seu "talismã" durante toda a trama é um bibelô em forma de borboleta. A diagramação também é linda, os capítulos são marcados por borboletas, e quando você abre o livro, logo as duas primeiras paginas, uma grande borboleta aparece.É também muito bem revisão, não apresenta nenhum erro aparente no texto.

0 comentários

Postar um comentário

Deixe seu Comentário!