Resenha: Floresta dos corvos - Andrew Peters.

domingo, 5 de janeiro de 2014



Autor:Andrew Peters
Titulo original: Ravenwood
Editora: Intrínseca
ISBN: 9788580572513
Ano: 2012
Páginas: 384
Tradutor: Raquel Zampil

Sinopse:
Ark vive no alto das últimas árvores que restam no mundo. E, já que mesmo em um país suspenso como Arborium alguém precisa desentupir os canos, ele tem uma profissão: aprendiz de encanador. É enquanto está ocupado com o vaso sanitário de um político poderoso que o garoto se torna testemunha de algo que vai mudar sua vida. Sem querer, Ark entreouve a conversa de conspiradores que pretendem destruir seu país.
Uma perversa enviada de Maw, o império inimigo, feito de vidro e metal, planeja tomar as ricas árvores de Arborium e transformá-las em matéria-prima, fazendo de seu povo, os pacíficos dendrianos, nada mais que escravos de seu plano maligno.
Flagrado, Ark precisa fugir para não ser morto, e terá de percorrer o gigantesco arvoredo e chegar à sombria Floresta dos Corvos, onde talvez esteja sua única chance de proteger seus amigos e seu lar.


Este é um livro que o leitor precisar ter muita força de vontade para não desistir da leitura, pois só tem alguma ação nas ultimas paginas do livro, e nem é lá grande coisa. Mas eu vou explicar para vocês o porque.
Ao iniciar a leitura, somos levados a Arborium, um "país" em cima das arvores. Sim, é isso mesmo, a historia se passa em algum momento de um futuro muito, muito distante, onde a poluição no mundo chegou a tal ponto, que o solo não é mais habitável, gases tóxicos circulam no ar, e as arvores adquiriram um poder de mutação, que as levou a cravar suas raízes muito fundo no solo  e a crescer tanto, que podem sustentar cidades em seus galhos.
A vida em Arborium é pacifica, regida pelas leis de seu monarca, um Rei extremamente obtuso, que vive em seu castelo cercado de luxo, e não se importa que os "Dendrianos" vivam em condições miseráveis. Mas um golpe militar esta sendo tramado para acabar com o reinado do rei Quercus. E é ai que Ark entra em cena. Um simples aprendiz de encanador encarregado de desentupir a privada da residência da família Grasp, e que acidentalmente escuta toda a trama contra o rei e os planos para a sua morte no dia da "Colheita", um tradicional festival que comemora o fim da colheita dos campos suspensos. Mas para o desespero do pequeno Ark, ele é descoberto em seu esconderijo e como já ouviu todos os planos do Conselheiro Grasp, um dos articuladores da traição, sua única saída é fugir. Mas agora Ark é o único que pode deter o plano e salvar, não somente a vida do Rei, mas também toda a vida em Arborium.
"Agora estou na caca! Quanto tempo ainda tinha antes que os homens de Graso o encontrassem? Mucum não teria a menor chance. E então o quê? Despencar no vazio estava se tornando um habito perigoso."
Ok, quando vocês leem este resumo, o primeiro pensamento que vem em sua cabeça é: "Nossa, uma mega distopia cheia de ação". Mas não se enganem, primeiro, pois o livro é extremamente infantil, foi usado  expressões tão descabidas, que até mesmo uma criança ficaria insultada.  A narrativa não flui, o ritmo de leitura é lento e cansativo, apesar de os parágrafos serem curtinhos. A premissa do livro é fantástica, mas o autor prolongou demais os fatos, se atendo a pequenos detalhes insignificantes, que quando a historia realmente chegou ao seu ápice, o leitor estava cansado e louco para abandonar o livro. Acho que faltou o autor elaborar melhor os fatos, se ele tivesse focado em alguns outros pontos da historia, como a "Floresta dos Corvos", que é o que dá nome ao livro, e deixado de lado as constantes explicações ambientais, e o desenvolvimento de fatos desnecessários e que não contribuíram em nada para o enredo, o livro com toda certeza seria melhor.
Este livro me chamou a atenção pela capa, que é linda, com um efeito metálico super diferente, mas logo nas primeiras 100 paginas eu estava entediada, e arrependida de ter iniciado a leitura. Mas com muita força de vontade eu consegui terminar, mas a leitura não é de toda ruim, é um livro para ler sem expectativa, não se deixe levar pela sinopse e pela capa, assim você vai ter uma leitura mais prazerosa.
Andrew Peters tinha uma excelente ideia inicial, mas que não conseguiu desenvolver de uma forma que prendesse o leitor. Mas, enfim, o trabalho da editora foi incrível, como sempre; capa linda, diagramação simples, e conteúdo super bem revisado, uma pena a historia em sí não ser tão boa.

Sobre o autor:



Andrew Peters tem mais de dois metros de altura e desde criança escalava suas arvores favoritas. Ou seja,Floresta dos Corvos esta em desenvolvimento desde então.Autor de mais de 60 livros,também gosta de squash e fotografia.

8 comentários

  1. A unica coisa que me chamou a atenção no livro foi a capa, mas com a sua sinopse e sua resenha eu acabei perdendo todo o interesse nele...

    Meu Mundo, Meu Estilo

    ResponderExcluir
  2. Ha.... que pena heim Geeh... poxa, eu amei a capa deste livro e estava sim curiosa para lê-lo, agora, nem pela capa quero mais.... rsrsrsrsrrsrsrs
    Como sempre, suas resenhas são perfeitas!

    bjo bjo^^

    ResponderExcluir
  3. Primeiro, o livro me chamou bastante atenção mesmo pelo título, depois começando a ler a sua resenha, pensei que seria legal, pois achei totalmente diferente de tudo que já li o fato das cidades serem em cima das árvores rs
    Porém, lendo mais um pouco da resenha, percebi que não me agradaria, pois você destacou o fato da leitura ser chata e não ter muita aventura, então este eu passo rs
    beijos ♥
    quemprecisadetvparaverbeyonce.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Realmente a capa é muito bonita , mas eu pessoalmente achei a sinopse muito chata e não é um livro que eu leria e ainda mais se não tem muita ação como tu disse , achei legal mesmo ele não sendo tão bom tu ter feito a resenha .

    Lays Snaps

    lays_snaps@hotmail.com

    ResponderExcluir
  5. Comprei esse livro em uma promoção do Submarino por 10 reais, somente por ter achado a capa bonita. O livro está na estante desde então. Penso em dar uma chance a ele em 2014, vai que rola.

    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Eu comprei esse livro a pouco tempo, ainda não li, e já me arrependi. Me deixei levar pela sinopse e pela capa. Mas em fim, vou ler mesmo assim.
    Abraços, Nayara - http://travelingbetweenpages.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Eu li e amei o livro, eu consegui ler e à noite eu narrava pra minha irmãzinha que amooou toda a história hahahaha tô a procura do segundo mas acho que não tem no Brasil ainda 😕

    ResponderExcluir
  8. comecei a ler, mas logo abandonei, na altura de 100 páginas, além de ser um tanto entediante, ele me dá nojo, um dos personagem tem a roupa alvejada com urina, o outro trabalho em meio a merda, literalmente, foi o tempo todo imaginando o cheiro que devia ser... nem

    ResponderExcluir

Deixe seu Comentário!