RESENHA LIÇÕES DO DESEJO (OS ROTHWELLS #2) - MADELINE HUNTER

segunda-feira, 3 de março de 2014


Título Original: Lessons of Desire
Tradução: Teresa Carneiro
Páginas: 272
Formato: 16 x 23 cm
Peso: 320 g
Acabamento:  brochura
Lançamento: 05/09/2013
ISBN: 9788580412017
EAN: 9788580412017
Preço: R$ 29,90
Preço E-Book: R$ 19,90
Leia um trecho: clique aqui 

 “Madeline Hunter tem uma compreensão inata da vida que lhe permite criar personagens inteligentes e tramas fortes. Você vai simplesmente se apaixonar por esta história.” Romantic Times

Sinopse: Atraente, sutil e tentador, lorde Elliot Rothwell é um homem acostumado a fazer sucesso entre as mulheres e a conseguir tudo o que deseja delas.

Mas isso não se aplica a Phaedra Blair. A brilhante e exótica editora não parece disposta a ceder a seu pedido e cancelar a publicação das memórias de um membro do Parlamento que podem manchar o nome da nobre família Rothwell.

A pedido de seu irmão mais velho, o marquês de Easterbrook, Elliot vai a Nápoles para negociar com Phaedra. Historiador de renome e autor de livros respeitados, tudo indica que ele seja a pessoa ideal para a tarefa.

Porém, em vez de encontrar a bela mulher descansando à beira do mar Tirreno, Elliot descobre que ela está presa por causa de uma acusação injusta. Graças ao prestígio da família, o nobre consegue libertá-la, mas também se torna responsável por ela até voltarem à Inglaterra.

Percorrendo juntos uma das regiões mais belas e românticas da Europa, eles vão descobrir que discordam de quase tudo o que o outro pensa ou faz – exceto o que fazem juntos na cama. E, nessa aula de prazer, será cada vez mais difícil saber qual dos dois tem mais a ensinar.

Book Trailer: (inglês)



A Editora Arqueiro no ano passado lançou três livros do gênero romance de época, cada um referente a uma série, Os Hathaways da autora Lisa Kleypas, Os Bridgertons da Julia Quinn e Os Rothwells da Madeline Hunter, sendo essa última autora o livro da resenha de hoje, Lições do Desejo, segundo livro da série Os Rothwells.


Madeline Hunter é uma autora diferente, apesar da escrita contemporânea mesmo sendo um livro de época, mas Hunter tende a ter uma linguagem mais formal dos livros do mesmo gênero lançados pela editora, além de um estilo elegante e refinado de escrever com diálogos inteligentes devido as características comportamentais e culturais nas quais os personagens são submetidos, principalmente as mulheres da época.


As mulheres, apesar de serem garotas, entre 20 e 25 anos, são independentes das convenções da sociedade já que fogem do perfil ideal da alta e respeitável sociedade da época, por não possuírem nem títulos e também terem que enfrentar as adversidades da vida sem família para se apoiarem.


A personagem do primeiro livro das série, As Regras da Sedução, era uma mulher comum que vivia de favor na casa de parentes, e quando esses parentes tiveram problemas financeiros foi a primeira a ser descartada, tendo que se submeter a viver de dama de companhia de uma família que não conhecia além de ter casado com o homem que foi acusado de responsável pela ruína de sua única família.


Nesse segundo livro, Lições do Desejo, temos como protagonista Phaedra Blair, uma moça que realmente não vive das convenções impostas pela sociedades, desde a sua aparência, já que usa se vasto cabelo ruivo solto enquanto as mulheres daquela época teriam que usá-los preso, além da cor da sua roupa, que na maior parte do tempo é da cor preta, e também por ter quase uma profissão de jornalista e historiadora.


Aliado a isso, ela mora sozinha desde os 16 anos, quando a sua mãe também conhecida por não viver de acordo com as regras da sociedade, Artemis Blair, a instruiu a ter sua própria casa já que a filha teria que ter sua vida como ela construiu a dela, o pai de Phaedra vivia com a mãe de uma maneira moderna, não viviam juntos e nunca se casaram oficialmente.


A mãe de Phaedra, era uma mulher respeitada pela comunidade acadêmica devido a sua inteligência e ser uma grande historiadora, porém não era bem-vinda em suas casas, além disso Artemis tinha amantes e orientou a filha a nunca se envolver emocionalmente com alguém, apenas compartilhar de prazeres sem compromisso, ou seja, naquela época mulheres com esse estilo de vida eram bastante menosprezadas pela sociedade, mesmo indiretamente admiradas pela sua capacidade intelectual não eram respeitadas.


Phaedra vive em condições financeiras precárias como foi mostrado no livro anterior devido a amizade dela com Alexia (protagonista de As Regras da Sedução) conhecemos alguns problemas. Phaedra já tinha perdido a mãe algum tempo atrás, mas com a morte do pai que a situação piorou consideravelmente.


Além dos problemas financeiros, Phaedra tem a responsabilidade de publicar as memórias que seu pai, o jornalista Richard Drury, a incumbiu após sua morte. Mas as revelações e dúvidas que surgiram após a leitura do diário, Phaedra decide ir em busca de informações para solucionar os mistérios que envolvem a morte de sua mãe, o homem que deu de presente um camafeu que pode estar diretamente ligado com negócios ilícitos. E também para descobrir a veracidades das revelações que envolve uma das famílias mais respeitadas da Inglaterra, e ao mesmo tempo poderá atingir sua melhor amiga...


Elliot Rothwell um famoso historiador com diversos livros de sucesso escritos nessa área. O irmão caçula da família Rothwell, e tem uma característica admirável de ter facilidade para conquistar o sexo oposto, e por isso foi instruído pelo seu irmão mais velho Christian Rothwell a recuperar o diário do pai de Phaedra, ou convencê-la a não publicar a parte que se fere ao patriarca da família Rothwell,  já que contém informações pode  manchar a imagem da família.


Phaedra está em Nápoles para investigar a origem do camafeu e também saber um pouco sobre esse homem misterioso, além de confirmar a veracidade das informações que envolve o nome dos Rothwells em respeito a sua melhor amiga que nunca a esnobou nem mesmo depois de casa com um nobre, porém Phaedra com seu jeito independente se envolve em uma situação complicada... e a pessoa mais improvável aparece para retirá-la da confusão...


Elliot ao chegar em Nápoles assume o papel de tutor e responsável por Phaedra para conseguir livrá-la da confusão e ao mesmo tempo resolver tudo mais rapidamente possível já que o estilo exótico e nada convencional dela estava impulsionando uma forte atração que poderiam prejudicar seu planos.


Por outro lado, Phaedra está decidida a descobrir as verdades, e mesmo não gostando de ser parcialmente dependente da companhia dele o convence de acompanhá-la a cidade de Positano, no sul da Itália para continuar com suas investigações e também para se afastar mais rapidamente de Elliot já que ela também começava se sentir atraída por ele.


Uma das características da autora é priorizar a trama, e deixar a relação do casal evoluir em torno dessa trama, o primeiro livro foi assim, e o segundo livro não foi diferente, no desenrolar da investigação e a convivência aproxima mais o casal, e pelas características da personagem de Phaedra a relação sexual não se torna uma prisão e sim uma libertação e descobertas para ambos, já que nunca tiveram uma relação que existisse essa cumplicidade.


Mas com a convivência os sentimentos torna-se mais profundos, e talvez no final eles terão que fazer escolhas...

Porém o idílico amoroso na Itália está prestes acabar... quando retornam a Inglaterra eles terão que enfrentar as consequências dos infortúnios durante a viagem, principalmente Elliot enfrentará um dilema, deixar que Phaedra publique as informações contra seu pai que poderá denegrir sua família, ou tentar convencer Phaedra de não publica-la, mas por isso corre o risco de perdê-la... 


Enquanto Phaedra luta para não ir contra os ideias impostos pela sua mãe,  e além disso, ela terá que escolher entre a promessa feita para o pai no leito de morte de publicar o livro sem retirar nenhuma informação, e com isso poderá prejudicar sua amiga e o homem que ela passou a amar...


Concluindo...

As escolhas dos personagens estão diretamente ligadas a fidelidade familiar, enquanto Phaedra com seu medo de amor Elliot poderá ser subjulgada devido as normas da sociedade em relação a mulher, e por outro lado ter em posse um documento que poderá atingir a integridade da família.


Apesar de Phaedra ser uma mulher aparentemente corajosa, mas no fundo ela é covarde, pois Elliot está disposto a tudo para ficar com ela, mesmo que tenha que enfrentar sua família.

A escrita da Madeline Hunter não é fácil, mas é aquela leitura que faz pensar... ela expõe os vários lados dos personagens, e o leitor irá acompanhando tanto a evolução da trama, quanto a evolução dos sentimentos do casal principal, e tudo isso alinhavado com diálogos inteligentes, instigantes, perspicazes e interessantes que deixam o leitor extasiado com a qualidade da escrita da autora.


Madeline Hunter é uma autora que indico principalmente para leitores que julgam as narrativas de romances são bobas, piegas e que sempre irão terminar com felizes para sempre, óbvio que felizes para sempre com toda certeza, mas até chegar o final você terá lido uma trama de qualidade, com uma escrita refinada, elegante e adulta.




Curiosidade 1

Praticamente toda a narrativa é ambientada na cidade Positano, na Costa Amalfitana, na Itália. A escolha da cidade pela autora, que é um professora de história da arte, não foi mero a caso, as características da cidade tem relação direta com a trama que envolve o livro. Confiram algumas informações sobre a cidade:

Primeiro é um dos lugares mais românticos da Itália, a cidade foi construída verticalmente na face de um penhasco, para fazer uma vista deslumbrante sobre o mar.

A origem de Positano remonta aos tempos pré-históricos, que foi datado de cerca de 11.000 anos, período da última glaciação. O achado arqueológico de uma refeição a base de veados foi encontrado em uma caverna da costa. A área ainda mantém traços conhecidos do Paleolítico.

O nome de Positano, provavelmente remonta à expansão grega no Mediterrâneo. O nome refere-se ao deus do mar Poseidon, deus grego. Segundo a lenda, Positano foi fundada por Poseidon (o deus Netuno na mitologia romana) por amor a Pasitea, ninfa que amava.
É certo que os fenícios e gregos, em suas viagens para o Ocidente, colocaram os pés na cidade, o que leva crer que foi habitado por Oschi ou Piceni.



Curiosidade 2

Em uma das citações ilustrativas que integram a resenha, o personagem Elliot se referenciou sobre os afrescos eróticos de Pompéia a Phaedra. Então pesquisei sobre isso e encontrei um artigo bem interessante que explica como se originaram esses afrescos e o conteúdo mostrado por eles.

“Pompéia (Pompei em italiano) é a famosa cidade da região da Campania, província de Nápoles, Italia.

Pertencente ao império romano, foi totalmente sepultada pelas pesadas cinzas vulcânicas do Vesúvio em 24 dee Agosto de 79 d.C.  Ficou soterrada e desconhecida por mais de 1600 anos, quando foi encontrada por acaso. Desde então tornou-se um sítio arqueológico extraordinário que atrai milhares de turistas todos os anos.


As escavações revelaram em detalhes a forma de vida e costumes dos habitantes do tempo da Roma antiga.


Pompéia sempre foi cercada de mistérios e proibida para historiadores da arte. As obras artísticas ali descobertas são um verdadeiro testemunho sobre a vida erótica de seus habitantes.


O Museu Nacional de Arqueologia de Nápoles guarda surpreendentes obras eróticas, capazes de fazer corar até os menos puritanos de nossos dias. 


De acordo com os antigos manuscritos e descobertas arqueológicas, orgias, prostituição, homossexualidade, sexo com animais e lesbianismo eram praticados com toda a naturalidade. Vênus, a deusa do amor do Olimpo, teria sido escolhida como protetora de Pompéia. Seu templo foi erigido na parte mais linda da cidade, com uma deslumbrante visão para a Porta Marina. Infelizmente foi destruido por um terremoto no ano de 63 d.C., portanto, antes do soterramento pelo Vesúvio.


Diferentemente da concepção atual, a deusa Vênus não era considerada uma divindade que distribuia apenas amor e encantamento, mas também amargura e desesperança. Vênus era a rainha suprema de Pompéia. Os padrões morais da cidade eram colocados em nível secundário aos prazeres mundanos, independentemente do seu grau de imoralidade. Um fato interessante revelado foi que à Vênus daqueles dias era atribuido o dom de ser a originadora de todas as obscenidades.


Na época de Pompéia, a filosofia do Império Romano era completamente oposta àquela que surgiria com o crescimento do cristianismo. A filosofia era orientada no sentido de que, para chegar ao paraíso após a morte, o homem deveria desfrutar ao máximo os prazeres da vida. Foi nesse período que os Imperadores Romanos promoviam grandes banquetes, onde o exagero era levado ao extremo. Os praticantes se enchiam de comida e vinho até chegarem ao ponto de perderem completamente os sentidos. As orgias sexuais eram parte integrante dos festejos.


Um dos endereços mais cobiçados de Pompéia era a Casa dos Véttii. Os proprietários Aulus Vettius Restitutus e Aulus Vettius Conviva eram ricos mercadores que sempre desfrutavam noites de prazer com lindas mulheres. (...).”
clique aqui para ler o artigo completo. 

Curiosidade 3

A partir desse livro no site da autora você encontra o book trailers e outros informações dos demais livros da série, em Lições do Desejo, está disponibilizado na página, making off do booktrailer, além de informações dos atores que aturam no vídeo. Confiram:

Making off: clique aqui 
Atores: clique aqui 
Curiosidades do vídeo: clique aqui
Versão curta do book trailer: clique aqui 






1º Trecho
- Esqueceu o seu chapéu, Srta. Blair. O sol ainda não se pôs e pode ser prejudicial à sua pele delicada. Tenho certeza de que preferia evitar mais sardas em seu nariz, por mais charmosas que elas sejam.A mão dela foi rápida para o nariz. Por um instante, a vaidade feminina venceu sua postura de indiferença a essas preocupações banais.- O senhor é muito hábil em misturar críticas com falsos elogios.- Os elogios não foram falsos. As sardas são adoravelmente femininas, mas ainda assim precisa de um chapéu. Vou esperar até que ponha um. A senhorita tem um chapéu, não?- É claro.Exasperada, ela deu meia-volta e seguiu na direção do quarto.- Não me siga desta vez.- Nunca entraria no quarto de uma dama duas vezes ao mesmo dia. Assim como quatro danças em um baile, isso poderia ser mal interpretado.- Nunca interpreto mal os homens, lorde Elliot. Eles são as criaturas mais transparente que existem.
2º Trecho
- Minha mãe acreditava que as mulheres aprendem em casa, com os pais, a serem dependentes. Somos ensinadas e temer a independência e depois convencidas a rejeitá-la mesmo que esteja ao alcance. Assim, quando recebi uma herança do irmão de minha mãe, ela me estimulou a sair da casa e a viver sozinha antes que me acomodasse e virasse uma adulta dependente dela.Phaedra fez uma pausa ao se esticar calmamente para ver o chão perto da torre. Outro pequeno acampamento tinha sido montado ali, povoado por cinco senhoras e Carmelita Messina.- Eu tinha 16 anos - acrescentou ainda distraída com a cena abaixo.A atenção que dava aos acampamentos não a deixou perceber a reação de Elliot.- Você era uma criança.Ele tentou não expressar condenação em seu tom. Phaedra não gostaria de ouvir críticas à mãe, e ele não tinha o menor desejo de discutir com ela naquele minuto.Ela ainda observava o promontório.- Sim, eu era uma criança. Contudo há muitas mulheres que não empurradas para o casamento nessa idade. Acho que seria um destino muito mais assustador. Elas são jovens demais para os planos de seus pais, e eu também era jovem demais para os planos dos meus. Ela não se afastou da minha vida, não foi uma rejeição de seus deveres. Minha mãe me ajudou a contratar uma governanta, para que eu não morasse sozinha nos primeiros anos. Eu a visitava com frequência e nos víamos quase tanto quanto no tempo em que morávamos sob o mesmo teto.
3º Trecho
- Alexia, você nunca questionou o poder que deu a Hayden quando se casou com ele? Você pôs seu futuro e sua felicidade nas mãos dele.Alexia achou a pergunta engraçada.- E ele pôs o futuro e a felicidade dele nas minhas, Phaedra.- Não é a mesma coisa. Você faz parte das posses dele. A lei...- A lei é sobre outras coisas e outros tipos de bens. Sou dele, é verdade, só que ele também é meu. Nosso amor faz com que seja desse jeito, assim como os votos que pronunciamos. Nisso, a lei é clara. Não perdi nada de mim mesma com essa união, querida amiga. Nada mesmo. Hoje sou mais do que era antes de conhecê-lo, não menos.
4º Trecho
Isso era a pior coisa em relação aos homens bonitos. A beleza deles deixava a mulher em desvantagem quando eles lhe dirigiam sua atenção. Esse homem era muito bonito. Era também muito masculino na maioria das situações e sutilmente másculo nas piores delas. Naquele exato momento, parecia estar tentando, de maneira deliberada, deixa-la perturbada. Não o fazia por motivos carnais, disso Phaedra tinha certeza. Porém, ele emanava sedução também e o sangue dela reagia a isso.Proteger, possuir, conquistar – tudo eram facetas do mesmo instinto primitivo, não? Um homem não poderia seguir uma dessas inclinações sem despertar as outras dentro de si, e uma mulher era facilmente subjugada se não tomasse cuidado. Ela se perguntou que parte ancestral da personalidade masculina o motivava naquele momento.


Confira a resenha!!!! Curta a fan page da autora no Brasil Participe do grupo dos romances de época!!! Curta o Facebook da Editora Siga a editora! Confira o site da editora! Adicione na sua estante! Adicione na sua estante! Sem resenha! Sem resenha! Confira a resenha!!!! Adicione na sua estante!!! Siga a autora no Twitter! Curta o face da autora!!!! Confira o site da autora!!!! Adicione na sua estante!!!

Próximo livro...
lançado esse mês


“Uma história cativante e irresistível sobre duas pessoas que vencem todos os obstáculos.” – Booklist

Título Original: Secrets of surrender
Tradução:  Beatriz Horta
Páginas:  240
Formato:  16 x 23 cm
Peso:  280 g
Acabamento:  brochura
Lançamento:  14/02/2014
ISBN:  9788580412437
EAN:  9788580412437
Preço:  R$ 29,90
Preço E-Book:  R$ 19,90


Sinopse: A bela Roselyn Longworth já aceitou seu destino. Depois que o irmão fraudou o banco em que era sócio e fugiu do país levando o dinheiro dos clientes, suas finanças ficaram arruinadas, assim como suas chances de conseguir um bom casamento.

Por isso foi fácil acreditar nas falsas promessas de amor de um visconde. Mas a desilusão não demorou a chegar: quando Rose não se sujeitou a seus caprichos na cama, o nobre se vingou leiloando-a durante uma festa em sua mansão.

Ela acredita que o destino lhe reserva um fim trágico. Ainda mais ao ser arrematada por Kyle Bradwell, um homem que venceu na vida pelo próprio esforço, mas não é bem-vindo nos círculos mais exclusivos.

Mas a jovem é surpreendida pela atitude dele, que a trata com um respeito e uma gentileza que ela não recebia desde antes do escândalo envolvendo o irmão. Quando Rose finalmente descobre o que está por trás do comportamento de Kyle, é tarde demais: já foi fisgada pelo homem que conhece seus segredos mais íntimos. 

Leia um trecho: clique aqui

12 comentários

  1. Gostei das capas e historia realmente parece ser muito boa ^_^ , a editora Arqueiro esta com tudo em 2014 estou amando os lançamentos deles.

    ResponderExcluir
  2. Ooo resenha longa , mas da pra ter uma boa visão do livro .
    Não vou dizer que gosto de romances de época, mas gosto de ver as grandes diferenças que tem com o hj....

    ResponderExcluir
  3. Eu amo as capas desta série! São lindas demais, mas ainda não consegui ler nenhum....

    Adoro os quotes e as montagens que vc faz, ficam tão lindas!!!! rsrsrsrsrrs
    Parabéns pela resenha! Como este livro já está na minha listinha de desejados, nem preciso dizer que quero ler neh? *-*

    bjo bjo^^

    ResponderExcluir
  4. Eu fiquei em êxtase quando a Arqueiro anunciou o lançamento desses romances históricos,e li avidamente os primeiros volumes das 3 séries,mas por conta das obrigações acabei deixando esse série de lado.

    E fico tão triste quando leio uma resenha dessas,o livro está aqui,esperando e eu tenho mil obrigações e fico tentada a largar tudo e me jogar no livro que quero,eu adorei Phaedra no primeiro livro da série e sua resenha confirma que ela não vai me decepcionar...

    Amei a resenha,os quotes e mais ainda as curiosidades....

    bjsss

    Bianca

    Apaixonadas por Livros

    ResponderExcluir
  5. Não gosto muito de livros desse tipo , eu costumava amar , mas atualmente eles parecem ter perdido o encanto pra mim rs
    E-mail: juliamariamoraes2013@gmail.com
    Nome de seguidor: Julia Moraes

    ResponderExcluir
  6. Oi Patrícia, uma deliciosa e empolgante resenha como sempre!
    Sempre no maior capricho com suas publicações.
    Eu já li este livro, e infelizmente não gostei muito... Sei lá, acho que criei muitas expectativas em relação a Phaedra e acabei me decepcionando um pouco com a personagem. Mas, nada que tire o mérito da autora e da qualidade da obra.
    Estou mega curiosa para ler o próximo.
    Bjus
    Lia Christo
    www.docesletras.com.br

    ResponderExcluir
  7. Amei a resenha. Amei a série. Me encanta livros de época. Se eu pudesse só leria livros de época, principalmente se houver algo histórico no meio.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já leu a Rosa Branca Rebelde???? ou Um Beijo do Destino??? São maravilhosos.

      Excluir
  8. Amo romance de época , já tinha visto livros de Madeline Hunter , mas ainda não pude ler rs .. vi que o 3 , será lançado este mês na Arqueiro , Jogos do Prazer rs eu me interesso *-------* . Sua resenha super completa , adorei . Não conheço muito a autora , mas pelo que disse , suas personagens femininas beira entre as das Julia Quinn e Jane Austen rs

    ResponderExcluir
  9. Não conhecia , mas romances sempre é muito bom , fiquei bem curiosa para ler o novo lançamento .

    ResponderExcluir
  10. Sua resenhas são um tanto bem grandes ..
    Eu gostei , não conhecia , conheci o outro que vai lançar .

    ResponderExcluir
  11. Não conhecia essa autora, gostei da resenha e do tipo e história. É ótimo participar de blog que nos apresentar tantas novidades.

    ResponderExcluir

Deixe seu Comentário!