[RESENHA] A PROTEGIDA (THE TRAVIS FAMILY #1) - LISA KLEYPAS

sábado, 23 de janeiro de 2016


Título original: Sugar Daddy
Tradução: A C Reis
Área temática: Adulto, Ficção
Formato: 16 x 23 cm
Páginas: 288
ISBN: 9788582353394
Data de publicação: 05/11/2015
Leia um trecho: http://goo.gl/P9NXLg

Sinopse: Uma escolha pode conduzi-la à felicidade… Ou partir irremediavelmente seu coração.

Liberty Jones é uma garota determinada, mas em sua vida pobre e difícil não há espaço para que ela consiga vislumbrar seus sonhos sendo realizados. Seu único consolo é a amizade e o amor que nutre por Hardy Cates, um jovem que possui ambições grandiosas demais para ficarem enterradas na pequena cidade de Welcome. Apesar da atração irresistível que pulsa entre os dois, tudo o que Hardy não precisa é de alguém para atrapalhar seus planos de sucesso, e ele a abandona no momento mais difícil de sua vida: quando a mãe de Liberty morre tragicamente em um acidente; deixando um bebê para ela criar. Mas a vida traz grandes surpresas e Liberty se vê sob a tutela de um magnata bilionário, que irá oferecer muito mais do que proteção à irmã e a ela, mas também revelará uma forte ligação com o passado obscuro da família de Liberty. O que Liberty não espera é ter de lidar com Gage Travis, o filho mais velho do magnata; o rapaz não aprova a presença dela em sua casa e fará de tudo para afastá-la de sua família… Gage apenas esquece de também mantê-la longe de seu coração.

“Às vezes a vida tem um senso de humor cruel, entregando-lhe aquilo que você sempre quis no pior momento possível…”

A Protegida é o primeiro livro da série contemporânea, The Travis Family, da autora Lisa Kleypas, publicado pela Editora Gutenberg. A autora se tornou conhecida no Brasil através dos seus romances de época (digite Lisa Kleypas no campo de busca do blog e confira as resenhas).
A série The Travis Family é composta por 4 livros, cada um com um casal diferente, sendo que um dos protagonistas é um dos irmãos Travis (Gage, Haven, Jack e Joe).

E apesar do nome da série, porém a personagem principal de A Protegida é Liberty Jones, somente a partir da metade do livro aparecem os Travis, e mesmo assim o livro continua narrado por Liberty.


O livro começa desde a infância de Liberty, que aos 4 anos  perdeu o pai devido um incidente numa empresa petrolífera. Depois disso, Liberty passou a conviver com diversos namorados que sua mãe arranjava. Depois de algum tempo a mãe de Liberty resolveu morar junto com um desses namorados, e decidiram morar em um trailer na cidade de Welcome, leste de Houston.


Welcome para Liberty não foi apenas uma mudança de local, foi uma mudança de vida... e onde aos 13 anos ela se apaixonou...

Hardy Cates um rapaz forte e atraente de 17 anos que ao salvar Liberty de uma situação delicada, a conquista completamente, mesmo que para ele, Liberty não passa de uma menininha naquele momento. 

Com o passar do tempo Liberty deixou de ser uma menininha para se tornar uma adolescente atraente, a beleza exótica devido a descendência mexicana do pai, atraia garotos, sendo um deles Hardy, mas...

Hardy era é um rapaz ambicioso e mulherengo inveterado, em busca sempre de relacionamentos fúteis, mas em relação a Liberty, os sentimentos eram conflitantes, a única jovem que ele realmente quis, mas ao mesmo tempo ele nunca a teria no momentos, pois iria atrapalhar seus planos, que era ganhar muito dinheiro, de preferência bem longe de Welcome, e por isso não queria criar vínculos...


Liberty sempre desejou que Hardy fosse seu primeiro beijo, sua primeira relação sexual, mas com a constante negação da parte dele, ela decidiu descobrir sua sexualidade com outras pessoas, mesmo que todas as experiências serem frustrantes, já que o parâmetro sempre foi Hardy.



Mas a vida de Liberty não era mais fácil que a de Hardy enquanto passava por todas as descobertas de sua juventude, também tinha que lidar com problemas familiares.

A mãe, terminou sua relação com o “namorado-parasita”, mas acabou ficando grávida. Enquanto Liberty comemorava a vinda do novo membro da família, porém a mãe não encarava com a mesma felicidade, já que o bebê significava mais despesas adicionais, e no momento a renda familiar não comportava mais despesas.


O nascimento de Carrington trouxe responsabilidades a mais para Liberty, pois a mãe rejeitava um pouco a nova filha. E Liberty teve que desempenhar um duplo papel "irmã-mãe", e muitas vezes tirando a responsabilidade da própria mãe, que logo em seguida começou a sair para namorar, deixando Liberty sozinha cuidando da irmã, e ainda tinha que estudar para as provas da escola.


E com a partida de Hardy, Liberty acabou curando seu dor cuidando inteiramente para a irmã, esquecendo da sua vida pessoal, que ao mesmo tempo não sentia falta da parte dos relacionamentos frustrantes, pois ninguém se comparava a Hardy, mesmo que a relação entre eles nunca foi além de simples beijos.

E a vida de Liberty iria mudar radicalmente. Ela perde a mãe em um trágico acidente, deixando-a com um trailer e um carro velho, uma conta bancaria quase no vermelho e uma irmã de 2 anos para criar, sendo que Liberty tinha acabado de sair do ensino médio, não tinha emprego e nem experiência profissional.


Apesar de contar com os amigos, Srta. Marva, uma senhora que praticamente se tornou uma vó para ela, e Lucy, sua amiga do ensino médio. Mas Liberty tinha um certo receio de aceitar ajuda, pois a mãe a doutrinou a não aceitar auxilio de ninguém, principalmente financeiro, mas mostrará no decorrer do livro que a mãe foi bem contraditória sobre isso. Mas pelo bem de Carrington decide aceitá-las.


Mas finalmente depois de tantos infortúnios, a vida de Liberty começará a melhorar. O sonho dela é trabalhar no ramo da beleza. Ela e a irmã se mudam para Houston, onde consegue um emprego como aprendiz em um badalado instituto de beleza, e com salário poderá sustentar ela e a irmã mais confortavelmente.


Houston realmente se abre para mudanças felizes para Liberty, principalmente após o magnata Sr. Churchill Travis cruzar o seu caminho... Churchill é um senhor viúvo, patriarca da família Travis, passou a frequentar o salão onde Liberty trabalhava e se aproxima bastante dela. As más línguas acreditavam que ele iria se tornar protetor de Liberty, em outras palavras, seu amante, em troca Liberty ganhava benefícios financeiros.


Mas a relação entre eles estava longe disso, era quase paternal, e da parte de Churchill não foi um encontro casual, e que será revelado posteriormente no livro.

Quando Churchill sofre um acidente o que impossibilita de andar temporariamente, ele faz uma proposta para Liberty, a convida para ser sua assistente pessoal, mas precisaria dela diariamente. Então ela e a irmã, acabam indo morar na mansão dos Travis, mas nem todos ficaram felizes com a sua vinda, principalmente o filho mais velho, Gage Travis.


Depois de alguns atritos entre eles, a relação começa a modificar... 

Para Liberty será uma surpresa, após tantos relacionamentos frustrados, e mesmo depois de adulta nunca foi feliz na sua vida amorosa, ela começa a ter sentimentos por Gage, que somente tinha sentido por Hardy.


Uma atração física e emocional arrebatadora, que lhe dá uma nova perspectiva principalmente na sua vida sexual, que até então ela pensava que o problema era com ela.

Mas o aparente frio e distante Gage Travis, que na verdade é o oposto. Um homem amoroso, atencioso  e sedutor, que mostrou para a Liberty os prazeres de uma relação a dois.

Mas Liberty coloca alguns obstáculos na relação, um deles é o medo de se apegar emocionalmente a alguém, e se decepcionar, e também tem Carrington que se aproximou demais da família Travis, e preferencialmente de Gage.


E quando Liberty acha que encontrou sua estabilidade emocional com alguém, e a vida que ela sempre buscou estar se concretizando... ressurge Hardy para tumultuar seus sentimentos.


Agora o atraente Hardy Cates, conseguiu seu maior objetivo, ser rico. Mas falta a mulher que ele sempre desejou, mas a sua ambição não permitiu, e agora ele está livre para -la, porém ela...

Liberty terá que decidir entre o amor estável e sólido de Gage, por  quem  aprendeu a amar, e a fez esquecer o passado... ou o amor conturbado do passado no qual ela sempre desejou e não pode ter, e agora talvez terá oportunidade de vivê-lo???


Conclusão...
Para as (os) fãs da Lisa Kleypas... a Lisa romancista de época, é completamente diferente da Lisa romancista contemporânea.

Já havia lido outro livro contemporâneo da autora publicado por outra editora no Brasil (tem resenha no blog), e percebi na ocasião algo diferente no estilo da construção da narrativa, mas em A Protegida essa diferença é notória.

A Kleypas contemporânea é mais detalhista, e talvez isso, em minha opinião deixava a leitura um pouco lenta, apesar de muitos desses detalhes representavam analogias à alguma situação, mas outros não acrescentava em nada para leitura. Mas por outro lado, é uma escrita mais humanizada, com lindas passagens de percepções e aprendizados de vida. 

Mas algumas características do gênero  de época permanecem... o toque de humor, o romance irresistível, os diálogos espirituosos, personagens fortes, e um assunto sempre presente rondando seus livros, o preconceito. Nesse livro é a descendência mexicana de Liberty, inicialmente julgava-a que não era filha de sua mãe, já que Diana, era loira de olhos azuis. Depois achavam que Liberty era apenas a babá da irmã, já que Carrington era parecida com a mãe. Lisa não aprofunda as questões, mas a deixa sempre na superfície.

A Protegida é um livro com um inicio lento, mas quando você se apaixona pela narrativa e personagens, o final acaba sendo rápido demais. Recomendadíssimo para as pessoas que gostam de livros com reviravoltas, dramas, romances e finais felizes.


Book Trailer (em inglês)

12 comentários

  1. Eu gostei muito da história em si, mas algumas coisas na narrativa me deixou irritada, confusa. Não sei explicar. Msm assim..considero ótima e recomendo.

    ResponderExcluir
  2. Oi Patty, já amei só pelo Ian Somerhalder está na foto rsrsrs, gostei muito da sinopse e da sua resenha, não conhecia a escritora e nem o livro já coloquei na minha lista de leitura bjs.

    ResponderExcluir
  3. Estou doida pra ler esse livro, curto muito um romance, gosto muito da escrita da Lisa Kleypas é ótima e essa resenha me deixou ainda mais curiosa em conferi essa história.

    ResponderExcluir
  4. Não sabia que era uma série e já gostei! Adoro os livros de época dela e nunca li nenhum que não fosse. Quero ver se acho diferenças. Esse parece ser bem envolvente, viciante e a unica coisa ruim é que termina rápido e deve ser bem quando a coisa fica boa. Porque livros dela são assim, ao menos pra mim. Quero muito ler!

    ResponderExcluir
  5. Oi Patty! Já li alguns livros da autora e gostei bastante. E apesar de ser uma leitura um pouco mais lenta, acredito que vale a pena à leitura.
    Amei a resenha. Me instigou bastante.
    Abraços!

    ResponderExcluir
  6. Ja conhecia o livro, mas as imagens estão de primeira, os artistas se encaixaram perfeitamente, ficou muito bom.

    ResponderExcluir
  7. Bom, só conheço a Lisa escritora de romances de época e essa faceta de romance contemporâneo narrado em primeira pessoa me deixou curiosíssima.

    ResponderExcluir
  8. Oi!
    Só conhecia a Lisa Kleypas pelos romances de época, mas gostei dessa historia dela principalmente Liberty que parece uma personagem forte e a historia me deixou muito curiosa !!

    ResponderExcluir
  9. Confesso que não conhecia a serie de livros até agora mas gostei bastante, Adoro os livros da Lisa Kleypas, li Os Hathaways e gostei muito.

    ResponderExcluir
  10. Oi, Patrícia. É a primeira vez que leio algo sobre A Protegida e me interessei plenamente. Liberty é uma personagem dona de casa, mesmo aos seus 14 anos, com um padrasto desses e a mãe um pouco fora de foco, ela tende a assumir a casa. Com a morte de sua mãe, nada mais específico do que se tornar oficialmente detentora de tudo e partir em uma jornada encantadora. Gostei!

    ResponderExcluir
  11. Patrícia, confesso que gostei muito mais da Lisa Kleypas como romancista contemporânea a histórica. Ela consegue transmitir tudo de uma história de forma surpreendente. Em A Protegida, Liberty é uma narradora incrível e essa transição de criança à adolescente é feita de uma forma muito boa. Gostei.

    ResponderExcluir
  12. Quanta coisa acontece com Liberty, ufaa.
    Sua resenha está cheia de informações.
    Não fiquei com vontade de ler.
    Não curti a escrita lenta.
    Acho que a trama em si não tem nada a me apresentar.
    É a vida toda de uma pessoa... Seus relacionamentos, frustrações.
    Achei que demorou pra vida dela melhorar.
    Fiquei com dó da personagem.
    Que pena que ela não conseguiu o romance com o cara dos seus sonhos como esperava.
    Perdeu o pai, sua mãe é um pouco negligente...
    No momento não lerei, mas vou anotar a dica.
    Beijos

    ResponderExcluir

Deixe seu Comentário!