[RESENHA] Tudo e todas as coisas - Nicola Yoon - @Novo_Conceito

sexta-feira, 15 de abril de 2016

 Esta postagem é válida para o TOP COMENTARISTA ABRIL ~

“Minha doença é tão rara quanto famosa. É um tipo de Imunodeficiência Combinada Grave, mas você a conhece como ‘doença da criança na bolha’. Basicamente, sou alérgica ao mundo. Qualquer coisa pode deflagrar um ataque de doenças [...] Ninguém sabe o que dá início ao processo, mas todos conhecem as consequências. De acordo com a minha mãe, eu quase morri quando era criança. E assim eu fiquei no limbo do IDGC.”
Madeline Whittier tem 18 anos e nunca saiu de casa. Ela literalmente nunca saiu de dentro de casa. Ela é uma prisioneira. Mas uma prisioneira da medicina. Infelizmente ela tem uma doença extremamente rara, chamada IDGC, que basicamente é uma doença que faz com que a pessoa seja alérgica a tudo e qualquer coisa a sua volta. Por esse motivo, Madeline não sai de casa. Ela pode morrer se deixar seu ambiente, minimamente limpo e seguro.

Ela só tem contato com duas pessoas do mundo exterior: sua mãe (superprotetora desde a morte do seu filho e marido) e sua enfermeira, Carla. Muito raramente ela se encontra com seu professor de arquitetura. Para sobreviver a isso, ela se dedica às leituras e seu blog, além de estudar muito. Sua vida é monótona, mas só assim para ela sobreviver, dentro da bolha que ela chama de lar.

Sua vida começa a mudar quando os novos vizinhos da casa ao lado chegam. Uma família comum. Um pai, uma mãe, uma filha e um filho. Um filho. Olly. O garoto misterioso que adora usar preto e pratica parkour.

Os dois começam a se comunicar através de mimicas, das janelas de seus quartos. Em seguida, começam a conversar online também. Maddy e Olly começam a ficar muito próximos, e a falta de contato físico entre os dois se torna uma tortura para ambos. Até que um dia, eles se encontram pessoalmente. E todo o mundo que Madeline conhece, cai por terra.

A menina da bolha, superprotegida e certinha passa a se questionar. Será que aquilo que ela tem é vida de verdade? Será que ela vai conseguir sobreviver sem o Olly por perto?

“As palavras da minha mãe voltam à minha mente. Não quero ver você de coração partido. Ela sabia o que aconteceria. Sempre vai haver outra pessoa. Alguém que não está doente. Alguém que pode sair da própria casa. Alguém que pode falar, tocar, beijar e fazer todas as outras coisas.”
GENTE, PÁRA O MUUUUUUUNDO! QUE LIVRO É ESSE? (sim, em letras garrafais, porq sim, estou gritando histericamente!). Sério gente! Eu fiquei fascinada com a história criada pela Nicola Yoon, fascinada e encantada com sua escrita. Além de o livro ser gostoso de ler, ele flui extremamente bem. Ao longo da leitura são inseridos e-mails, listas, diagramas e desenhos que facilitam a compreensão e leitura mais rápida da obra (quem não ama livros assim?).
Esse é aquele tipo de livro que tu pega e não consegue largar mais até descobrir como ele acaba. Será que a Maddy vai conseguir ficar com o Olly? Será que ela vai sobreviver até o final? São milhões de perguntas que borbulham na nossa mente e nos fazem desesperadamente querer lê-lo logo!

Além da história fofa e cativante, Nicola conseguiu construiu personagens com características marcantes. Todos são de extrema importância. E a autora conseguiu mesclar as histórias de todos de uma forma muito limpa, sem prejudicar a história delicada de Maddy. Enquanto temos o drama central da doença rara e de uma mãe superprotera – proteção que as vezes chega a beirar a loucura – , acompanhamos também os conflitos familiares de Olly e os dilemas da enfermeira Carla com sua filha. Temas como amor de família, primeiro amor e até abuso entre marido e mulher são os que mais estão presentes em Tudo e todas as coisas.

Ao longo da leitura, a autora nos joga pequenas dicas de como o livro vai terminar. E pescando elas a gente já consegue imaginar como isso irá se desenrolar. Mas mesmo assim o final surpreende! Para mim, ele superou as expectativas. Mesmo eu tendo uma ideia final e geral, ele acabou indo além e me surpreendeu. E não foi a toa que eu resolvi dar cinco estrelas para ele.
 
“- Você nasce. Você é jogado nessa geringonça chamada vida que simplesmente não para de girar.
- Nessa sua teoria as pessoas são as bagagens?
- Sim.
- Prossiga.
- Às vezes você cai prematuramente. Às vezes você é tão danificado pelas outras malas que caem na sua cabeça que não funciona mais direito. Às vezes se perde ou é esquecido e fica rodando para todo o sempre.
- E aquelas que são pegas?
- Elas vão viver vidas monótonas trancafiadas num armário em algum lugar.”


Capa linda, diagramação perfeita e história envolvente.
Não tem como não ler e não se apaixonar!





 O que falar desse marcador M A R A V I L H O S O que veio junto com o livro?
Lindo demais!! Ele é transparente e já virou um dos xodós da minha coleção <3




Excelente! Leia Agora!



Me acompanhe nas redes sociais: facebook | instagram | skoob | twitter Küsse leute :)

9 comentários

  1. Aiiiii eu ja achava essa capa perfeita sem saber das coisas , ai li a resenha e vou ficar em colicas pra poder ler ...alguém me explica pq raios eu inventei uma promessa de não comprar livros ? Morta com esse marcador p e r f e i t o !!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Karina! Tudo bem?

      A capa é linda mesmo, né? Amo capas brancas, mais simples assim *-* Promessas assim são dificeis!!! Eu passei 5 meses sem comprar, mas voltei agora em março! hehehe! Mas força!!! Uma dica: peça o livro de presente para alguém! Vale a pena ;)

      Excluir
  2. oi ^^
    eu gostei muito do estilo de escrita da autora, mas nem precisei ler muito para saber como seria o grande mistério. já sabia disso desde a sinopse (só penso na desgraça e na raiva q vou ter se algo do tip oacontecer e quando vejo é aquilo mesmo haha).
    no mais foi um bom livro, mas não achei nada de tão incrível sabe? Seguindo o Coelho Branco

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oii!
      Lá pelo meio do livro eu também já tinha minhas teorias (uma com mais destaque!), mas mesmo o final superou minhas expectativas e foi além daquilo que eu esperava :)

      E se tu gostou da escrita da autora, não vai poder perder o novo lançamento dela que está por vir (a capa americana tá um luxo, tô só aguardando o lançamento aqui no Brasil *-*)

      Excluir
  3. Oi, Ellen! Tenho lido uma quantidade enorme de resenhas sobre esse livro. Todas até agora muito positivas. Eu estou de olho no livro desde que vi os posts de lançamento. Quero muito! E que liiiindo esse marcador!!!

    Beijos, Entre Aspas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Carla! Tudo bem?
      Recomendo que tu leia siiiiiim *-* a Novo Conceito está trabalhando muito no marketing no livro, e não deixou os leitores na mão: acertaram em cheio! Boa leiturinha!

      Excluir
  4. Sempre achei a capa desse livro lindoo, desde quando vi pela primeira vez, mas não vou negar que eu achava que era um livro de pintar(me julgue hahaha) e continuaria achando se não tivesse visto sua resenha.
    Essa história parece ser do tipo que trata de um tema "sensível", nunca imaginava isso vendo a capa, amei a resenha, caramba! Vou ter que ler, socorroo.
    Fiquei em dúvida em uma coisa, essa doença IDGC é "inventada" pro livro, né? Desculpa a ignorância, mas nunca ouvi falar dela. E realmente, só lendo a sinopse já estava me perguntando se eles iam ficar juntos hahaha.
    Só não gostei daquele gráfico, me lembrou até a prova que fiz semana passada. Mas fiquei apaixonada por esse marcador, sério! Tenho que comprar esse livro urgentemente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Paola, tudo bem? :)
      Na primeira que vez que vi, confesso que também não imaginei que fosse um livro de história! hehe! Mas fico feliz que minha resenha tenha te esclarecido quando ao conteúdo e te instigado a ler *-*

      E respondendo sua pergunta: sim! A Imunodeficiência Combinada Grave, ou IDGC, é infelizmente uma doença que existe mesmo. Mas assim como no livro, na vida real ela também é rara. É uma doença que baixa a imunidade das pessoas, entre outros sintomas... e normalmente as crianças que nascem com ela sobrevivem somente até os 2 anos de vida (isso se não tiverem tratamento adequado).

      E não se deixe abalar pelos gráficos do livro! hehehe! Tem várias partes com lista e mensagens, que deixem ele mais fofo ainda! Boa leiturinha!!!!

      Excluir
  5. Só essa linda capa já me chamou atenção! Achei linda ela! Primeira resenha que leio desse livro e já estou interessada em ler, ultimamente tenho lido bastante livros da editora e essa parece ser uma história bem especial.

    ResponderExcluir

Deixe seu Comentário!