[RESENHA] Os pequenos homens livres - Bertrand Brasil

sexta-feira, 24 de junho de 2016





"Bruxas não usam magia, a menos que realmente tenham que usar. Dá muito trabalho e é difícil de controlar. Fazemos outras coisas. Uma bruxa presta atenção em tudo o que acontece. Usa a cabeça. Uma bruxa tem confiança em si mesma. E sempre tem um pedaço de barbante..."

Os pequenos homens livres é o primeiro livro de uma série de 4 livros de aventura, protagonizada por Tiffany Dolorida, uma jovem garotinha esperta, moradora do reino de Giz, e que sonha em seguir os passos da sua amada avó.

Tiffany é diferente. Enquanto a maioria das meninas da sua idade sonha em ser uma princesa e encontrar seu príncipe encantado, ela quer apenas salvar o mundo e ser uma bruxa. Em todas as histórias, as bruxas são as vilãs, e sempre são retratadas como pessoas más. Mas desde pequena Tiffany entendeu que não é bem assim. Bruxas nem sempre são aquilo que os livros mostram – e fadas nem sempre são boazinhas.


Coisas que Tiffany jamais imaginou existirem começam a aparecer. Primeiro, ela combate um monstro num lago, depois, ela começa a ver homenzinhos azuis. É só quando Miss Tick, uma bruxa que observa Tiffany, aparece, é que a menina começa a entender que sim, ela tem poderes! Acontecimentos estranhos à sua volta não param de surgir. E é então que Wentworth, seu irmão caçula e incrivelmente chato, é raptado pela Rainha.  Só resta a Tiffany salvá-lo, afinal, ele é seu irmão, e ninguém tem o direito de roubar nada do que é seu.

Munida de uma frigideira, um sapo que não sabe se é um príncipe e milhares de Nac Mac Feegles – os pequenos homens livres – ela parte em uma aventura misteriosa, cheia de perigos, sonhos invadidos, pesadelos e criaturas do mal. Tudo isso dentro do Mundo das Fadas.

 "Aquela criaturinha no barco era um Nac Mac Feegle!
A mais temida de todas as raças mágicas!
Até os trolls fogem dos Pequenos Homens Livres!"

A história da Tiffany parece ser bobinha, um simples livro infanto juvenil. Mas não se engane! Os pequenos homens livres vão te conquistar! Não só eles, mas vários dos personagens presentes na obra.

E falando nisso, os Nac Mac Feegles, pictsies que carinhosamente se apelidaram de pequenos homens livres, são realmente pequenos e são azuis – e tatuados, ladrões, brigões, encrenqueiros e meio caipiras. Basicamente, smurfs endiabrados! Mas muito, muito divertidos e pitorescos! A Tiffany, nossa querida protagonista mirim, e carinhosamente chamada de bruaca pelos Feegles, é corajosa, forte, carismática e não tem medo do mundo. Ela sabe que nasceu para fazer a diferença, e ao longo de toda a história ela passa por um descobrimento e crescimento pessoal – tinha vezes que eu até esquecia que ela tinha 9 anos, de tão madura que ela aparentava ser. Alguns personagens da história têm nomes bem intrigantes – e gente, tiro o chapéu para a criatividade de autores assim! – como, por exemplo, Jock-não-tão-grande-quanto-o-Jock-Médio-mas-maior-que-o-Pequeno-Jock, um Feegle mega fofo!

Pratchett conseguiu criar um mundo mágico e diferente, onde vários papeis são invertidos. O herói não é um menino, as fadas não são do bem e os sonhos podem ser pesadelos. É intrigante e muito bem elaborado, e fala sobre família, magia, amizade e o poder de acreditar nos sonhos.

A única ressalva que eu faço quanto à história é: erros de escrita. Em alguns trechos eu fiquei na dúvida se era um erro de tradução ou se a história havia sido assim. Os Feegles falam errado (cabeiça e raía são exemplos disso), os moradores de Giz também, e até a Tiffany desliza em algumas pronúncias. Então em algumas frases eu me perguntava se era um erro proposital ou não. Mas como os personagens falam errado, acabou não sendo tão ruim.

O início foi um pouco devagar de engrenar. Mas depois que eu entendi melhor a história e me adaptei à escrita de Pratchett, a leitura fluiu super bem e o ritmo acelerou. Deem uma chance para a Tiffany e os Feegles! Eles vão roubar seus corações!

Os pequenos homens livres e Um chapéu cheio de céu (segundo livro e continuação da série) já estão disponíveis no mercado e foram publicados pela Bertrand Brasil. Agora só me resta torcer pela publicação dos próximos dois livros!

"Eu sou eu! Sou cuidadosa, lógica e procuro o significado das coisas que não entendo! Quando ouço as pessoas usando as palavras erradas, fico irritada! Sou boa em fazer queijos. Leio livros rapidamente. Eu penso! E sempre tenho um pedaço de barbante! É assim que eu sou!"

 
Boa Leitura




Me acompanhe nas redes sociais: facebook | instagram | skoob | twitter Küsse leute :)


12 comentários

  1. Oi, Ellen!
    Os pequenos homens livres não faz meu estilo de leitura, prefiro romance, se não há romance na história eu não me interesso, sem falar que não leio livro infanto juvenil... Mas achei bastante divertido a criatividade do autor em relação aos nomes intrigantes, e também achei interessante esse mundo que o autor criou com seus personagens com seus papéis invertidos, as fadas não são do bem por exemplo, genial isso, com certeza quem gosta do gênero vai amar ler Os pequenos homens livres.
    Bjos!

    ResponderExcluir
  2. Tiffany parece ser uma personagem bem interessante que apesar de nova já demonstra ter personalidade, já que quer ser bruxa ao invés de fada rs. A história parece promissora, sendo o primeiro de quatro livros e vou pesquisar sobre os outros livros pra saber mais sobre essa aventura. Ótima dica ;)

    ResponderExcluir
  3. Oi Ellen!
    A Tiffany parece ser uma personagem bem determinada e destemida apesar de ser tão jovem.
    Adorei o basicamente, smurfs endiabrados hahaha! Achei a capa bem chamativa e gosto bastante de leitura voltada pro publico mais juvenil, ainda mais se for uma leitura divertida. Só espero que esses erros de escrita não atrapalhe tanto :/
    Abraço!

    ResponderExcluir
  4. Achei muito interessante a história, sou apaixonada por livros com magia e esse parece ser genial para fãs do gênero, com uma jovem que acaba de descobrir que tem poderes.. os personagens parecem ser bem construídos e envolventes, alem de importantes para a trama, acho que também ficaria confusa com esses erros, sendo eles propositais ou não, desejo muito iniciar a leitura

    ResponderExcluir
  5. Achei fofa essa história dela. É um infanto juvenil bonitinho e com uma boa trama, não acho que seja bobinho. E essa coisa de escrito errado talvez seja mais pela idade, não? Sei lá, alguma coisa proposital assim...
    Não pude ler ainda e acho que só quando tiver todos aqui é que vou olhar se vale a pena ler mesmo... Porque não pego muitos assim e por ser uma série deu uma desanimada pra ler no momento. Medo de esquecer tudo, sabe? Aí se ler os outros depois vai ficar muito sem graça esquecendo coisas.
    Mas a dica é boa. Tomara que lancem essas continuações rápido.

    ResponderExcluir
  6. Só eu que achei super amorzinho o enredo desse livro? Me encantou e despertou completamente o meu interesse.
    Amo infanto-juvenis e esse me fez pensar que se o chapeleiro louco escrevesse um livro, teria mais ou menos o mesmo enredo desse.
    Fiquei bastante curiosa quanto as aventuras da pequena Tiffany e onde isso a levou.
    Mas não sei se ler um livro com uma escrita tão peculiar me agradaria. Eu ia ficar o tempo todo querendo corrigir os erros, kkkk.

    ResponderExcluir
  7. Achei o livro bem infantil, mas muito fofo! Fiquei imaginando os personagens na minha cabeça hahaha

    ResponderExcluir
  8. Eu gosto de romance, então raramente uma história que fuja desse gênero vá me interessar. Gostei do que li e tenho a mesma opinião de Tiffany: pq as bruxas têm de ser retratadas como vilãs, com verrugas no nariz?

    ResponderExcluir
  9. Oiiee, tudo bom?
    Que livro apaixonante né, curti muito a resenha e fiquei super interessada na leitura, creio que irei me divertir com Tiffany Dolorosa e com seu amigos os pequenos homens livres, gosto de infantis e fantasia é o gênero que mais me chama a atenção e os nomes são realmente muito criativos gostei do Jock-não-tão-grande-quanto-o-Jock-Médio-mas-maior-que-o-Pequeno-Jock hahahaha ri quando li o nome.
    Beijos *-*

    ResponderExcluir
  10. Eu não conhecia o livro, mas achei o enredo dele bem interessante. Achei bem legal a Tiffany querer ser uma bruxa, não uma princesa. E achei esse mundo criado pelo autor bem diferente mesmo. É uma pena que tenha muitos erros de escritas, e que o começo foi difícil de engrenar. Mas mesmo assim fiquei com bastante vontade de ler :)

    Beijos!

    ResponderExcluir
  11. Adorei a resenha!! E essa capa é linda! Faz um tempo que eu não leio nada de fantasia, mas me interessei bastante pela história!

    beijos!

    ResponderExcluir
  12. Gostei da capa do livro por ser diferente daqueles que estou acostumada. A narrativa deve ser muito boa apesar de começar a engrenar bem depois do começo, mas esse livro não me empolgou e não me chamou a atenção, pois não é o tipo de gênero que gosto.

    ResponderExcluir

Deixe seu Comentário!