[#LONEY] Resenha Loney - Andrew Michael Hurley - @intrinseca

sexta-feira, 22 de julho de 2016


Loney é um livro de terror psicológico, um gênero derivado do horror. No horror o medo nasce a partir do nojo e repulsa, e contém muito sangue e violência, enquanto no terror psicológico, o medo e suspense é gerado a partir de situações da mente humana, da vulnerabilidade das pessoas, e lida bastante com sensos psicológicos. Ou seja, não espere sangues e mortes horrendas em Loney.
  
O livro é narrado por Tonto, irmão mais novo de Hanny e filho dos Smith, e conta duas fases de sua vida: um Tonto adolescente, que vai com a família e um grupo de conhecidos da igreja para um lugar chamado Loney, a fim de conseguir um milagre religioso para Hanny, que é mudo e doente; e um Tonto, 40 anos depois de sua última ida ao local. 
Grande parte do livro conta a viagem de Tonto, Hanny, Sr. e Sra, Smith, Sr. e Sra. Belderboss, srta. Bunce e padre Bernard ao Loney e a estadia de todos na Moorings, a casa em que ficaram hospedados. A casa é sombria e misteriosa, e só ela já guarda segredos - que poderiam ter sido muito mais explorados na trama. O propósito da viagem era curar - através de algum milagre - Hanny de sua doença. Viajantes religiosos, uma casa hostil e moradores locais sinistros compõe o clima de Loney, um livro sobre esperança, fé e sobre como nossas cicatrizes nos definem no futuro. 

 "O medo pode levar uma pessoa a fazer coisas esquisitas, sabe?"

Quando peguei o livro para ler eu não tinha ideia do que se tratava a história. Essa foi aquela leitura legítima do "li pela capa" (me apaixonei por ela!). Logo, eu não criei nenhum tipo de expectativa pela obra. Comecei meio desacreditada de que o livro fosse bom e certo para mim, afinal, a história tinha um cunho religioso e eu não sou fã desse tipo de obra.

Loney tem várias cenas sombrias. Paisagens que dão medo, corridas em matas à noite, sons estranhos e olhares tortos de pessoas esquisitas. Cenas isoladas, que poderiam ter sido melhor aproveitadas. Quando o terror começava, ele era interrompido abruptamente, e me deixava com um "como assim?" bem grande estampado na testa. No fim, o lado "drama" e "fé" da história eram muito mais visados do que o "terror".

O início da leitura foi lento e travado, e eu levei tudo aos trancos e barrancos. Mas eu não desisti - afinal, eu precisava saber se Hanny receberia um milagre - e ainda bem que não fiz isso. Acabei me apegando e curtindo o tema proposto, embora eu não tenha gostado de ter tantas passagens sobre fé, e no final eu me surpreendi com o clima que foi criado.

Não é um livro para qualquer um e requer paciência de quem vai ler. Ele não tem um grande clímax e o final é um tanto aberto, mas até surpreendente - há uma reviravolta na história que eu não esperava, e isso deu um gás na leitura. Loney fala sobre família e principalmente sobre fé. Se eu indico? Indico sim, claro! (principalmente para os amantes do gênero terror psicológico) No início pode parecer que não vai dar em nada, mas no final, até que rende um filme!
 

Boa Leitura  




4 comentários

  1. Eu gostei da semana especial Loney, que tem uma capa fantástica e apesar de ter curtido e até ficado curiosa, acho que esse tipo de leitura não me prenderia, como vc disse não deve realmente uma leitura fácil, mas se for pro cinema com certeza vou querer assistir ;)

    ResponderExcluir
  2. Achei a ideia dele muito boa e pelo estilo de livro até costumo travar na hora de começar a ler também, mas depois pego embalo e a leitura acaba sendo muito boa. Ao menos na maioria dos livros nesse estilo é assim. Ah, gostei dele e da forma como é contada a história. Os personagens parecem ser bem reais, talvez até chatinhos em alguns momentos, mas acho que de qualquer forma é uma história que ficaria doida pra saber o fim. E talvez não tirasse da cabeça, já que tem esse tipo de final meio aberto.

    ResponderExcluir
  3. O livro na estava na minha lista de desejados desde que o vi nos lançamentos da editora e agora que li a sua resenha eu digo que quero ainda mais lê-lo. Gostei muito de ver e conhecer um pouco mais sobre essa história e estou completamente atraída pela trama. Eu acho que será uma leitura que vai mexer comigo e tenho certeza de que vou gostar muito. E que kit foi esse eim? amei as folhinhas caídas, que fofo!

    ResponderExcluir
  4. Estou doida pra ler esse livro! Ele parece ser tão bom, mas confesso que o que mais me atrai é essa capa. Estou super curiosa pra saber tudo de Loney, só é uma pena que o começo do livro seja meio lento, e que o final é meio aberto :/
    Mas mesmo assim estou querendo ler o livro, e ele já está na minha listinha.

    Beijos!

    ResponderExcluir

Deixe seu Comentário!