[NOTÍCIA] Conheça One Small Things - Novo livro da @authorerinwatt

domingo, 29 de outubro de 2017


Com o lançamento previsto para Maio/2018 o novo livro de Erin Watt, autora da série The Royals ainda não tem previsão de chegar ao Brasil, mas a gente já pode conferir uma palhinha e divulgar muito para que alguma editora corra e publique logo por aqui!!!
Confira um gostinho antecipado!! 

About the book:
From No. 1 New York Times bestselling author duo Erin Watt comes an addictive new contemporary YA tale of a girl who falls for the boy who inadvertently killed her sister in a car accident—perfect for fans of Sarah Dessen, Kasie West and Huntley Fitzpatrick.
Da número 1,  autoras best-seller do New York Times, Erin Watt, vem um novo conto contemporâneo YA de uma menina que se apaixona pelo menino que, inadvertidamente, matou sua irmã em um acidente de carro. Perfeito para fãs de Sarah Dessen, Kasie West e Huntley Fitzpatrick.



EXCERPT
Scene setup:Heroine Beth sneaks out of the house undetected to attend a party — where she meets the hero.
“What’s your name, anyway?” the blonde girl asks.
“Beth. You?”
“Ashleigh, but you can call me Ash.” She points to the front seat. “That’s Kylie and Max. We all go to Lexington High. Gonna be juniors this year.”
“I’ll be a senior at Darling,” I tell her.
A slight sneer mars her red-lipsticked mouth. “Ah okay. You’re a Darling girl.”
I bristle at the implication. “Not everyone in Darling is rich, you know.” I’m not lying; my family definitely isn’t as rich as some of the other families in town. Our middle-class suburb is safe and quiet, though.
The party we’re going to is in Lexington Heights (or Lex, as its residents call it), a working-class neighborhood where the houses are smaller, the people are poorer, and the kids are rowdier. In Darling, coke and molly are passed around along with hash. In Lex, you’re more likely to be offered meth.
My parents would freak out if they knew I was here. Scarlett nearly had a panic attack when we had to stop for gas in Lexington tonight.
“So whatcha doing over in Lex on a Saturday night?” Kylie twists around from the front seat to voice the question to me. “You looking to score some party favors?”
I offer a shrug. “I just want to have a good time before school starts.”
Max whoops loudly. “Girl after my own heart! What’s your name again, good time girl?”
“Beth,” I repeat.
“Beth.” Driving one-handed, he reaches his other hand toward me. “Gimme some sugar, Bethie. Time to get our party on.”
I awkwardly slap his hand and manage a smile. I suddenly feel really bad about ditching Scarlett, but I tamp down the guilt until it’s buried deep and forgotten. Besides, she was okay with me going in the end, even though I don’t think she totally gets why I had to go. Scar’s parents are cool. They’re laidback and hilarious and they give her so much freedom she doesn’t even know what to do with it.
I get it. I really, totally get it. I do. Mom and Dad lost a daughter. I lost a sister. We all loved Rachel and we all miss her, no one more than me. But my sister’s accident was just that—an accident. And the person responsible was punished for it. Isn’t that all we can ask for? Rachel’s never coming back, that’s not how life works. But justice was served, as much as it could’ve been.
And I’m still alive. I’m alive and I want to live.
Is that such a bad thing to want?
“We’re here!” Ashleigh announces.
Max parks across the street from a narrow house with a white clapboard exterior and an overgrown lawn that’s littered with teens. Beer bottles and joints are being passing around right there in the open, like nobody even cares if a police cruiser drives by.
“Who owns this place?” I ask.
“This guy Jack,” Ash answers in an absent tone. She’s too busy waving to some girls on the lawn.
“Are his parents home?”
Kylie snorts. “Um. No.”
Okay then.
We climb out of the Jeep and weave our way through the crowd toward the front door. Kylie and Max disappear the moment we enter the house. Ashleigh sticks close to me. “Let’s grab a drink!” she says.
I can barely hear her over the deafening hip-hop song that’s shaking the walls. The house is crammed with bodies, and the air smells like a combination of perfume, body spray, sweat and stale beer. Not exactly my scene, but the bass line is sick and the kids look friendly enough. I half expected to see bare-knuckle brawls and people screwing against the walls, but it’s mostly just dancing and drinking and very loud conversation.
Ash tugs me into a small kitchen with linoleum counters and outdated wallpaper. Half a dozen boys crowd around the open screen door, smoking a joint.
“Harley!” she shrieks happily, and then she lunges forward and throws her arms around one of the guys who separates himself from the group. “Omigod! When did you get back?”
The tall boy lifts her off her feet and gives her a very sloppy-looking kiss right on the mouth. I think he’s high, because his eyes are almost completely glazed over. I awkwardly lean against the counter and pretend like I belong here. This is what I want, I tell myself. A hard party that would drive my parents insane.
“Really late last night,” he says. “We stopped for dinner in Chicago and then powered through for the rest of the drive. Marcus said he’d rather drive through the night than pay for a motel.”
“You shoulda called me first thing this morning,” Ash whines.
He slings an arm around her shoulder. Is he her boyfriend? She hasn’t introduced us yet, so I have no idea.
“I didn’t even wake up ‘til like an hour ago,” Harley says with a laugh. “Otherwise I would’ve called.” His eyes narrow. “You seen Lamar yet?”
“Nope. Don’t plan on it, either.”
“Tonya says she saw him with Kelly at the arcade last night.”
“Goodie for Kelly. Can’t wait for Lamar to dump her skanky ass just like Alex did.”
Harley. Marcus. Tonya. Kelly. Lamar. Alex.
Who the heck are all these people? I stand there by the counter, growing more and more uncomfortable as Ashleigh and her maybe-boyfriend toss random names back and forth to each other.
I look around the kitchen. It doesn’t matter. I didn’t come here to listen to gossip. I’m tired of being passive, of allowing myself to be controlled. For the past three years, I’ve done what I’ve been told, taken the electives recommended, gotten the job that my parents set up for me, befriended the girls and boys that my parents deemed appropriate.
And what’s my reward?
Another four more years added to my sentence. The cell door got slammed shut before I even got a chance to take a step outside. I glance at the case of beer. I could get drunk, but that’s too easy. I could get high, but that’s too dangerous. I need to do something between drunk and high that would make me feel good and tick my parents off.
A flash of movement catches my attention, and I turn to find a very good-looking guy leaning in the kitchen doorway. He has the darkest blue eyes I’ve ever seen. They’re incredible. Over the left one, his eyebrow has a gap. It looks like a scar from this distance. Or a bad plucking accident, but he doesn’t look like the type to manscape.
His jaw is covered with dark-blond stubble, making him look older than all the other guys here. The boys in the kitchen, Harley included, don’t have any facial hair. And they aren’t nearly as tall as Blue Eyes, or as built, or as attractive.
Him. That’s what I need. A very bad boy to take me down a very bad path.
A sense of power sweeps through me. This would make my parents angrier than anything. All kids drink, but hooking up with some random stranger? It would drive my proper mother nuts.
Internally, I rub my hands together with glee and start plotting. He’s not making eye contact with me, but he’s not staring at someone else, either—guy or girl. He’s not exactly aloof, but there’s space between him and the others. As if they’re afraid to approach him. He’s got an aura of someone cool and together.
The very things that I’m not.
TRADUÇÃO LIVRE
Cena inicial: Beth sai de casa, escondida para participar de uma festa - onde ela encontra o herói.

"Qual o seu nome, afinal?", Pergunta a garota loira.

"Beth. Você?"

"Ashleigh, mas você pode me chamar de Ash." Ela aponta para o banco da frente. "Esta é Kylie e Max. Todos nós vamos para Lexington High. Seremos juniores este ano. "

"Eu serei sênior em Darling", eu digo a ela.

Uma leve zombaria estourou de seus lábios vermelhos. "Ah ok. Você é uma Darling girl. "

Eu me sinto ofendida com a implicância. "Nem todos em Darling são ricos, você sabe." Eu não estou mentindo; Minha família definitivamente não é tão rica quanto algumas das outras famílias da cidade. Nosso bairro de classe média é seguro e silencioso, no entanto.

A festa em que estamos indo é em Lexington Heights (ou Lex, como os seus residentes o chamam), um bairro da classe trabalhadora onde as casas são menores, as pessoas são mais pobres e as crianças são mais agitadas. Em Darling, coca e molly são passados ​​ao redor junto com hash. Em Lex, é mais provável que se ofereçam metanfetaminas.

Meus pais pirariam se soubessem que eu estive aqui. Scarlett quase teve um ataque de pânico quando tivemos que parar abastecer em Lexington esta noite.

"Então, o que está acontecendo em Lex em uma noite de sábado?" Kylie se torcia do banco da frente para me fazer uma pergunta. "Você está procurando marcar alguns pontos de favores de festa?"


Ofereço um encolher de ombros. "Eu só quero passar um bom tempo antes do início da escola".

Max grita. "Menina depois do meu próprio coração! Qual o seu nome novamente, garota festeira? "

"Beth", repito.

"Beth." Dirigindo com uma mão, ele alcança a outra mão em minha direção. "Me dá um pouco de açúcar, Bethie. Hora de começar nossa festa ".

Eu torço suavemente a mão dele e administra um sorriso. De repente, sinto-me muito mal por abandonar Scarlett, mas apago a culpa até que esteja enterrada profundamente e esquecida. Além disso, ela estava bem comigo indo a final, mesmo que eu não pense que ela concorda totalmente porque eu tinha que ir. Os pais de Scar são legais. Eles são descontraídos e divertidos e eles lhe dão tanta liberdade que ela nem sabe o que fazer com isso.

Entendi. Eu realmente, entendi totalmente. Eu faço. Mamãe e papai perderam uma filha. Perdi uma irmã. Todos nós amamos Rachel e todos nós sentimos sua falta, ninguém mais do que eu. Mas o acidente da minha irmã foi exatamente isso: um acidente. E a pessoa responsável foi punida por isso. Não é tudo o que podemos pedir? Rachel nunca irá voltar, não é assim que a vida funciona. Mas a justiça foi feita, tanto quanto poderia ter sido.

E ainda estou viva. Estou viva e quero viver.

Isso é tão ruim para querer?

"Estamos aqui!", Anuncia Ashleigh.

Max estaciona do outro lado da rua de uma casa estreita com um exterior de tábua branca e um gramado coberto de vegetação cheia de adolescentes. Garrafas de cerveja e baseados estão passando por aí, ao ar livre, como se ninguém se importasse se uma patrulha policial passasse.

"Quem é dono deste lugar?", Pergunto.

"Esse cara, Jack", Ash responde em um tom ausente. Ela está muito ocupada acenando para algumas garotas no gramado.

"Os pais dele estão em casa?"

Kylie ressoa. "Um. Não."

Está bem então.

Nós saímos do Jeep e atravessamos a multidão em direção à porta da frente. Kylie e Max desaparecem no momento em que entramos na casa. Ashleigh fica perto de mim. "Vamos pegar uma bebida!", Ela diz.

Eu mal posso ouvi-la sobre a música hip-hop ensurdecedora que está agitando as paredes. A casa está repleta de corpos e o ar cheira a uma combinação de perfume, spray corporal, suor e cerveja envelhecida. Não é exatamente a minha cena, mas a linha de baixo está doente e os garotos parecem suficientemente amigáveis. Eu meio que esperava ver brigas sem roupas e pessoas que se agarrando contra as paredes, mas estão principalmente apenas dançando e bebendo e conversando muito alto.

Ash me puxa para uma pequena cozinha com contadores de linóleo e papel de parede desatualizado. Meia dúzia de meninos se aglomeram pela porta da tela aberta, fumando um baseado.

"Harley!", Ela grita alegremente, e então ela se avança e joga seus braços em torno de um dos caras que se separa do grupo. "Oh Meu Deus! Quando é que voltou?"

O garoto alto a ergueu de seus pés e lhe dá um beijo muito forte na boca. Eu acho que ele está alto, porque seus olhos estão quase completamente vermelhos. Eu me inclino torpemente contra o balcão e finjo que eu pertenço aqui. Isto é o que eu quero, eu digo a mim mesma. Uma festa hardcore que os meus pais ficariam loucos.

"Realmente tarde na noite passada", diz ele. "Nós paramos para jantar em Chicago e depois tocamos direto o resto do caminho. Marcus disse que prefere dirigir a noite do que pagar por um motel."

"Você deveria ter me ligado imediatamente esta manhã", diz Ash.

Ele passa um braço ao redor do ombro dela. Ele é seu namorado? Ela ainda não nos apresentou, então não tenho ideia.

"Eu nem acordei até uma hora atrás", diz Harley com uma risada. "Caso contrário, eu teria ligado." Seus olhos se estreitaram. "Você já viu Lamar?"

"Não. Não planejo isso também.

"Tonya diz que o viu com Kelly no arcade ontem à noite".

"Bom para Kelly. Mal posso esperar para que Lamar seja um idiota assim como Alex fez.

Harley. Marcus. Tonya. Kelly. Lamar. Alex.

Quem diabos são todas essas pessoas? Eu permaneço lá pelo balcão, ficando cada vez mais desconfortável enquanto Ashleigh e seu talvez namorado jogam nomes aleatórios de um lado para o outro.

Olho em volta da cozinha. Não importa. Eu não vim aqui para ouvir fofocas. Estou cansada de ser passiva, de me permitir ser controlada. Nos últimos três anos, fiz o que me disseram, tomei as decisões recomendadas, consegui o trabalho que meus pais quiseram para mim, fiz amizade com as meninas e meninos que meus pais achavam apropriados.

E qual é a minha recompensa?

Mais quatro anos adicionados à minha sentença. A porta da cela ficou fechada antes mesmo de eu ter uma chance de dar um passo para fora. Olho para o barril da cerveja. Eu poderia ficar bêbada, mas isso é muito fácil. Eu poderia ficar alta, mas isso é muito perigoso. Eu preciso fazer algo entre bêbada e alta que me faça sentir bem e enlouquecer meus pais.

Um flash de movimento chama minha atenção, e giro para encontrar um cara muito bonito que se inclina na porta da cozinha. Ele tem os olhos azuis mais escuros que já vi. Eles são incríveis. Sua sobrancelha esquerda tem uma lacuna. Parece uma cicatriz dessa distância. Ou ele teve um acidente muito ruim quanto fazia a sobrancelha, mas ele não me parede o tipo modelo.

Sua mandíbula está coberta de barba loiro escuro, fazendo com que ele pareça mais velho do que todos os outros aqui. Os meninos na cozinha, incluindo Harley, não têm nenhum pelo facial. E eles não são tão altos quanto os Olhos Azuis, ou tão construídos, ou tão atraentes.

Ele. Isso é o que eu preciso. Um garoto muito mau para me levar por um caminho muito ruim.

Uma sensação de poder varre através de mim. Isso faria meus pais surtarem mais do que qualquer coisa. Todas os garotos bebem, mas se juntar com algum estranho aleatório? Isso levaria minha própria mãe à loucura.

Internamente, eu esfrego minhas mãos juntas com alegria e começo a planejar. Ele não está fazendo contato visual comigo, mas ele não está olhando para outra pessoa, quer seja, cara ou garota. Ele não é exatamente distante, mas há espaço entre ele e os outros. Como se tivessem medo de se aproximar dele. Ele tem uma aura de alguém legal e descolado.

As coisas que eu não sou.

Estou louca por mais deste livro!!!! Quero ver o que vai rolar e quem é este bad boy misterioso!! Aguardem mais novidades em breve!

0 comentários

Postar um comentário

Deixe seu Comentário!