[RESENHA] Com amor, Simon - Becky Albertalli - @intriseca

sexta-feira, 11 de maio de 2018

Resultado de imagem para livro com amor, simon
Simon Spier tem dezesseis anos e é gay, mas não conversa sobre isso com ninguém. Ele não vê problemas em sua orientação sexual, mas rejeita a ideia de ter que ficar dando explicação para as pessoas - afinal, por que só os gays têm que se apresentar ao mundo? Enquanto troca e-mails com um garoto misterioso que se identifica como Blue, Simon vai ter que enfrentar, além de suas dúvidas e inseguranças, uma chantagem inesperada.


Simon é gay, e ninguém sabe disso. Apesar de ser um adolescente cercado de bons amigos – Nick, Leah e Abby - e de possuir uma família amável, Simon ainda não está pronto para encarar o temível “sair do armário”. Para ele a questão não é ser gay – ele sabe disso, e jamais negaria – mas sim ter que encarar algo que os héteros não precisam encarar: o se abrir ao mundo e fazer a grande revelação (e sim, é bem injusto apenas os homossexuais precisarem se assumir! Na verdade, ninguém deveria ter que fazer isso).

Seu pensamento começa a mudar quando ele vê uma postagem anônima no Tumblr da sua escola. Alguém intitulado Blue se assume. Intrigado e curioso, Simon cria uma conta de e-mail falsa e começa a se comunicar com Blue, criando um forte laço de amizade, sinceridade e paixão. Tudo isso sem ter ideia da pessoa que está do outro lado do computador (a única informação que Simon tem, é de que ambos estudam na mesma escola).

As coisas começam a desandar quando Martin lê alguns e-mails que Simon trocou com Blue, e passa a chantageá-lo, ameaçando divulgar imagens dos mesmos na internet para todos lerem, caso Simon não o ajude a conquistar Abby. Com medo e preocupado que Blue suma, Simon cede as chantagens.

Nem preciso dizer a confusão que tudo isso vai causar na vida dele não é mesmo?

Primeiro amor, amizade, bullying, aceitação e crescimento pessoal fazem parte de Com amor, Simon.

Imagem relacionada

Antes Simon vs. a agenda homo sapiens, hoje Com amor, Simon, o livro de Becky Albertalli é um dos queridinhos de muitos leitores mundo afora. Confesso que eu não tinha vontade de conhecer a obra quando ela tinha o primeiro nome. No meu caso, eu assisti ao filme lançado esse ano (Com amor, Simon) e decidi: PRECISO ler este livro!

Eu não tive uma paixão forte com o livro, igual tive com o filme. Mas no geral eu achei a leitura bem agradável e fofa. Não vou me ater aos comentários do filme, apenas do livro – eles têm diferenças, sim. Acho que eu ter visto o filme antes de ler a obra impactou na sensação geral pós leitura. Desde o começo eu sabia quem era o Blue, então a grande surpresa de descobrir a pessoa de verdade eu não tive. Mas isso, para mim, não tirou o brilho da história de amor dos dois. Foi muito interessante acompanhar com mais detalhes a construção e fortalecimento deles.

A história conta com bastantes personagens e todos bem definidos. Os que mais aparecem são o círculo de amigos de Simon e sua família, e claro, os possíveis personagens que poderão ser Blue. Acho que o único ponto que eu senti pecar foi a pouca exploração das “opções” de Blue. Por ter bastante personagem, a obra não focou em muitas opções. A gente conhece Blue bem mais através dos e-mails que eles trocam, do que ele como possíveis personagens. Senti um pouco de falta nesse ponto.

Afora isso, o livro conta com personagens fortes e alguns clichês já esperados, mas com um final improvável e diferente, que deixa um gostinho de quero mais.

Becky conseguiu construir uma história importante, com uma mensagem legal de forma leve e cativante, de fácil entendimento a todos e que pode ajudar muitos jovens e muitas famílias a entenderem e aceitarem melhor o homossexualismo. E acho que a principal mensagem aqui é: ser homossexual não te torna diferente, todos somos iguais.



 

Boa Leitura



Com amor, Simon | Becky Albertalli
ISBN: 9788551003053 | Ano: 2018 | Páginas: 272 | Editora: Intrínseca | Adaptação cinematográfica: Sim






 Me acompanhe nas redes sociais: facebook | instagram | skoob | twitter

1 comentários

  1. É homossexualiDADE e não homossexualiSMO. Ser homossexual NÃO é doença.

    ResponderExcluir

Deixe seu Comentário!