[RESENHA] The Outsiders - Vidas Sem Rumo - S. E. Hinton - Instrínseca

quarta-feira, 8 de julho de 2020

The Outsiders
Vidas sem rumo
Autora: S. E. Hinton
Editora: Intrínseca
Páginas: 240


Clássico que marcou a literatura jovem e inspirou o emblemático filme de Francis Ford Coppola ganha edição de luxo com conteúdo extra
Publicado pela primeira vez em 1967 e imortalizado em 1983 pelo filme de Francis Ford Coppola, The Outsiders: Vidas sem rumo é um clássico da literatura jovem que transformou o gênero ao tratar, com complexidade e sensibilidade, de uma juventude marginalizada em um cotidiano sombrio e violento.
Na pequena cidade de Tulsa, em Oklahoma, a rivalidade entre dois grupos cresce a cada dia. De um lado estão os Greasers, com suas jaquetas de couro, o cabelo com brilhantina, os canivetes em punho e o cotidiano marcado pela falta de perspectiva e pelas brigas em terrenos baldios. Já os Socs moram no lado rico da cidade, frequentam os melhores lugares e conseguem se safar das piores situações, inclusive quando decidem espancar os Greasers.
Caçula do grupo, Ponyboy Curtis tem apenas quatorze anos. Junto dos irmãos Darry e Sodapop e dos companheiros Greasers, ele tenta encontrar uma forma de escapar de uma vida sem futuro em um lugar onde tudo se resume a ser rico ou pobre. Apaixonado por cinema e por livros, Ponyboy encontra nessas histórias uma chance de conhecer outra realidade. Tudo parece sob controle, até que uma perseguição dos Socs tem um desfecho inesperado e perturbador. Nada será como antes, mas os Greasers são uma verdadeira família e farão de tudo para protegê-la.
The Outsiders: Vidas sem rumo é um retrato comovente de uma juventude que precisa encarar a solidão, a revolta e a violência em sua jornada de amadurecimento. Mais de cinco décadas após o lançamento do livro, a história ainda encanta jovens e adultos, mostrando-se atemporal. Com capa dura e pintura trilateral, além de tradução e projeto gráfico inéditos, a edição traz ainda prefácio da jornalista e crítica de cinema Ana Maria Bahiana, entrevista com a autora S.E. Hinton e uma seção dedicada aos bastidores do filme.



Há muitos anos, em algum momento da minha vida, assisti ao filme de Francis Ford Coppola sem nunca saber que este filme era baseado em um livro. E agora tantos anos depois (sim, percebo que entreguei a idade) redescobrir esta trama através de sua origem e que mesmo sendo um livro tão antigo, continua sendo tão atual, foi uma grata experiência.

Em The Outsiders, a autora traça um retrato das desigualdades sociais, onde já se nasce do lado errado da lei, simplesmente por nascer do lado errado da cidade.

Um retrato cru, de uma realidade tão dura nos anos cinquenta, mas tão presente ainda nos dias atuais.

Acompanhamos a narrativa pela perspectiva de Ponyboy Curtis, um menino de quatorze anos, que vive com os irmãos mais velhos e enfrenta todos os dias o descaso da sociedade e o bullyng dos caras mais ricos da cidade, os Socs que não perdem a oportunidade de se divertirem aplicando "corretivos" nos marginalizados Greasers.

É tocante o quanto acompanhamos a inocência de Ponyboy ser ofuscada pelas situações cotidianas, mas também a autora consegue com muita sensibilidade mostrar as facetas do ser humano desprovido de oportunidades como ele e seus amigos Greasers.

Vemos a inocência se perder.
A carne sangrar.
Mas também vemos a proteção de uns com os outros, e a tentativa de fazer o melhor possível com as cartas que a vida lhes deu.
Vemos o desespero, mas também vemos a esperança e a dor, quanto Ponyboy é levado pela maré da vida.
E também refletimos sobre muitos aspectos da vida e sobre as realidades diferentes das pessoas.


Realmente um livro muito bom para a leitura em qualquer idade, mas principalmente na adolescência. Visto que demonstra com maestria os dois lados da mesma moeda e o peso das escolhas na vida.


Permaneça dourado.

0 comentários

Postar um comentário

Deixe seu Comentário!