[Crítica] A Última Carta de Amor - Netflix

sexta-feira, 23 de julho de 2021

Onde assistir? Netflix
Estreia: 23/07/2021
Duração: 1h e 50 min

Duas histórias ambientadas no presente e no passado se entrelaçam em "A Última Carta de Amor". Ellie Haworth (Felicity Jones) é uma ambiciosa jornalista que descobre um verdadeiro tesouro: cartas de amor secretas, datadas de 1965, que guardam em suas páginas um romance proibido. Decidida a solucionar esse mistério, ela começa a desvendar os detalhes da história de Jennifer Stirling (Shailene Woodley), esposa de um rico industrial, e Anthony O’Hare (Callum Turner), o jornalista encarregado de cobrir o magnata. Durante sua investigação, Ellie conta com a ajuda de um arquivista encantador (Nabhaan Rizwan) que vai ajudá-la a encontrar mais cartas e, quem sabe, um amor. O filme é baseado no romance de JoJo Moyes e dirigido por Augustine Frizzell.



Oi gente, tudo bem?
Hoje estrou na Netflix a adaptação da obra da maravilhosa Jojo Moyes, A Última Carta de Amor publicada aqui no Brasil pela editora Intrínseca.

Eu como boa JojoLover que sou, não poderia deixar passar esse filme né?
Então bora lá tecer minha humilde opinião sobre o que vi na telinha!
As histórias de Jojo Moyes são sempre muito impactantes e normalmente me tocam de um jeito profundo me causando grande alegria, risos e deixando o coração quentinho ou então me deixam sensível, chorosa e de coração partido, mas sempre amando cada linha que esta mulher escreve.

Quando li Como Eu Era Antes de Você eu quase desidratei de tanto chorar e quando saiu a adaptação não deu outra, eu chorava cada vez que assistia ao trailer, e no cinema, era daquelas que fungaça e chorava feio! (sim! me julguem!)

Em A Última Carta de Amor, Jojo mais uma vez nos apresenta uma trama muito emocionante, onde os personagens são imperfeitamente reais e a narrativa alterna entre passado e presente e tenho a dizer que nos livros dela com essa estrutura sempre consigo me envolver e viajar entre os tempos, mas infelizmente acabei sentindo uma quebra nessa conexão ao assistir a adaptação da Netflix.

Embora toda a produção e o elenco estejam impecáveis, creio que apenas 01 hora e 50 minutos de filme acabou sendo pouco para desenvolver bem a trama.
Adorei a ambientação nos anos 60.
A fotografia e figurinos estão impecáveis e o glamour da época contribuiu para o brilho da história de amor entre Jennifer e Anthony, mesmo que ainda o roteiro os tenha tratado um pouco superficial de mais para o meu gosto.

Pena que não consegui sentir essa conexão e fascínio quando acompanhamos Ellie no presente e sua caça ao tesouro (ou neste caso às cartas dos amantes do passado), enquanto ela tenta se descobrir e se situar na sua vida.

Embora Felicity Jones seja uma grande atriz, creio que a produção não a valorizou, apresentando um roteiro ainda mais raso em seu tempo em tela, prejudicando assim sua conexão com os telespectadores e principalmente com os fãs da escrita da autora.

No geral é um filme bom, um pouco mais morno do que eu esperava, mas que mesmo assim não perde a essência da escrita de Jojo Moyes.
Se você ainda não leu o livro (que é excelente) te indico a assistir ao filme primeiro para depois iniciar a leitura e assim se aprofundar mais na narrativa, amarrando assim as lacunas que infelizmente alguns leitores devem sentir ao assistir essa produção depois de ler o livro.

0 comentários

Postar um comentário

Deixe seu Comentário!