[Crítica] BOA SORTE, LÉO GRANDE

terça-feira, 26 de julho de 2022

 


Sinopse

Em Boa Sorte, Leo Grande, Nancy Stokes é uma professora que acabou de se aposentar. Apesar de ter tido uma vida satisfatória, existe uma coisa que ela nunca teve: Nancy nunca fez um sexo digno de chamar de bom. Na verdade, Nancy nem sabe se o que ela fez foi de fato sexo. Mas isso são águas passadas, Nancy está obstinada em seu plano de ter, pelo menos uma vez, uma noite de sexo prazerosa. E tem tudo desenhado em sua cabeça: ela chamará um jovem trabalhador do sexo e reservará (anonimamente) um bom quarto em um hotel. Ela até sabe o nome do jovem: Leo Grande. Leo sabe o que faz e sabe que faz bem o seu trabalho. Apesar de parecer somente mais uma cliente e mais algumas horas de trabalho, Leo está certo que essa é a coisa que mais intrigou ele, e que Nancy é também uma pessoa diferente.



Olá pessoal, tudo bem? Está sendo uma semana movimentada de estreias! Nós só temos a agradecer ao pessoal da Paris Filmes e EspaçoZ Marketing por nos proporcionar essas oportunidades incríveis e trazer para vocês nossas impressões sobre as novidades que estão chegado nas telonas!

BOA SORTE, LÉO GRANDE é aquele tipo de filme tão íntimo que ou você se identifica com ele ou você se frustra assistindo.
No meu caso, me identifiquei tanto, que acabei entrando numas bads aí! hehehehe
Este filme acompanha a história de Nancy e como depois de enviuvar e dos filhos criados, ela resolve contratar um profissional do sexo para entender o que realmente é um orgasmo, visto que em toda a sua vida, ela nunca teve um. Nem com ela mesma.

As sessões com Léo acabam se tornando mais uma análise onde ambos vão se descobrindo e repensando alguns fatores de suas vidas, do que realmente algo sexual. Nancy começa a ver as coisas mais em cores ou na zona cinza e não mais  tudo na rigidez do preto no branco. Enquanto o mixê Léo, começa a vislumbrar aspectos de sua relação com a própria mãe vendo em Nancy uma figura de apoio.

É um filme bem existencial, onde convida ao expectador refletir sobre vida, escolhas e julgamentos.

Confesso que esperava algo um pouco mais leve, mas a narrativa é densa e envolvente. Trazendo à toda o drama cotidiano de muitas mães que viram sua vida passar e agora buscam encontrar sua própria identidade como mulher.

Emma Thompson como sempre está magnífica e levanta o filme com maestria. O mesmo infelizmente não podemos dizer de Daryl McComarck que não empresta carisma, muito menos sensualidade ao Léo.

Apesar de tudo, BOA SORTE, LÉO GRANDE é um bom filme para quem curte os dramas do cotidiano.

0 comentários

Postar um comentário

Deixe seu Comentário!